Reloading – Locadora #019 – Shovel Knight

No décimo nono episódio da Locadora do Reloading, Bruno Carvalho, Edu Aurrai e Felipe Mesquita falaram sobre o jogo indie que colocou a  Yacht Club no radar de muitos jogadores: Shovel Knight.

Duração: 92 min

Comentados:

 

JOGO DO 99VIDAS NA PSN Americana (PS4,PS3,VITA)

JOGO DO 99VIDAS NA PSN Brasileira (PS4,PS3,VITA)

Envie seus e-mails com sugestões, críticas e comentários para ouvinte@reloading.com.br

Siga o Reloading no Twitter @reloadingbr

Curta nossa página no Facebook http://facebook.com/reloadingbr

Entre na nossa Locadora http://facebook.com/groups/reloadingbr

E também no nosso grupo do Telegram http://t.me/amigosgamersreloading

Assine o nosso Feed http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

Ou no iTuneshttps://itunes.apple.com/br/podcast/reloading-atualize-se-gamer!/id991994199?mt=2

Problemas para localizar o Reloading no seu aplicativo de podcasts? Em vez de buscar pelo nome tente usar o link no campo de busca = http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

Compartilhe:
  • Diogo Maia

    Podcast bacana. Por favor, façam um locadora do DKC 2. Esse game tem uma das melhores trilhas sonoras de todos os tempos.

  • Sandman

    Nem Dark souls, nem Demons souls, diablo 2 bem antes desses jogos já fazia isso de não poder recuperar dinheiro após a segunda morte.

  • Vitor Calfa

    Bruno, com todo o respeito, Demon Souls foi importante, foi, mas por favor, convenhamos, não tenho os números, mas acho que Dark Souls foi muito mais jogado e se popularizou muito mais que Demon Souls, logo o posterior é o jogo mais influente, não seu antecessor espiritual.

    No mais, ótimo cast. Locadora rivaliza pau a pau com Dash do Jogabilidade em termos de qualidade de conteúdo e análise hoje em dia. É sempre um prazer enorme ouvir vocês.

    • Ary

      Nessa eu concordo com o Bruno, Dark Souls vendeu mais e faz mais sucesso, mas até ele é uma influência de Demons, logo, todo sucesso dele é baseado na influência do primeiro jogo.

      Do mesmo modo dá pra dizer que apesar de GTAV ter vendido muito mais, ter sido mais jogado, GTA3 foi infinitamente mais influente.

    • William Kucharski

      é que o Bruno é sempre do contra, gosta de super mario 3 e não de super mario world, e prefere demon souls e não dark souls

      • Ary

        Ele não falou que gosta mais do Demon’s, apenas reforça o mérito do jogo que pessoal deixa de lado por se tratar de um exclusivo.

        Tanto é que Demons é o influenciador que quando Darks foi anunciado não foi um jogo desconhecido que pessoal experimentou e gostou, mas sim teve todo o hype de sucessor espiritual multiplataforma de Demon’s Souls. Não fosse o sucesso, ainda que tardio de Demon’s, e o boca a boca da comunidade Playstation em cima do jogo, Dark’s Souls poderia ter passado batido e demorado muito pra ter seu reconhecimento merecido.

        • Sandman

          Acho que quem influenciou foi o dark souls, o Demons é foda e me orgulho muito da minha platina no jogo. Mas que popularizou e influenciou foi o dark souls que criou o gênero souls-like. Foi depois do sucesso do dark souls que surgiu jogos como lords of The fallen, nioh, salt and sanctuary etc, se resolvermos voltar pro Demons que volte então pro kingsfield que tinha todas as mecânicas que vimos depois na série souls.

          • Ary

            Quando Dark Souls foi lançado, Demons já era popular, tanto que o anúncio foi bem recebido. Dark Souls apenas expandiu o público de Demons porque o jogo era bem aceito pelo público hardcore e porque apareceu disponível em mais plataformas. Demons Souls demorou para ter seu reconhecimento merecido, mas antes de anunciarem Dark ele já tinha sido localizado e vendia bem.

            Os clones e outros jogos surgiram porque o sucesso permaneceu e as vendas expandiram, mas a influência de level design, gameplay e conceito de jogo está tudo em Demons Souls, não em Kingsfield que é bem diferente.

            • Sandman

              Demons souls nunca foi popular, era um jogo de nicho, nem a sony valorizou o jogo na época, foi dark souls quem se encarregou de popularizar a série e com a popularização veio a influência sobre outros jogos, viram que dark souls dava certo e quiseram repetir o sucessos com os “clones” do jogo. Não faz sentido dizer que dark souls é influenciado sendo que ele é um jogo da mesma produtora, eles só deram continuidade ao que fizeram o Demons melhorando o jogo em todos os aspectos.

              • Ary

                Isso vai depender do que você considera como popular. Pelos últimos dados que me recordo, Demons Souls, sendo exclusivo e um jogo que demorou para emplacar, tinha vendido algo próximo de duas milhões de unidades, algo extremamente expressivo para uma produção média em seu primeiro episódio. Além disso, como foi dito, o jogo demorou para emplacar, por um conjunto de características que o mercado não entendeu logo de cara e Dark Souls passaria pelo mesmo problema caso o público já não conhecesse Demons.

                É algo simples de ser entendido, se Salt and Sanctuary não existiria caso Dark Souls não fosse lançado, o próprio Dark Souls não existiria caso Demons não tivesse sido lançado. Tanto é verdade que a Namco só bancou Dark Souls porque ela foi a terceira e última publisher de Demons Souls e só bancou a série porque ficou extremamente satisfeita com as vendas.

                Além disso, o próprio anúncio de Dark Souls já mostra que havia um hype em cima do jogo já por conta do Demons. Isso pode ser observado na seguinte descrição que achei no vídeo de divulgação: “Dark Souls is the spiritual successor to the 2009 Gamespot Game of the Year winner Demon’s Souls”.

                Quer dizer, Dark Souls quando foi anunciado já era conhecido como o sucessor espiritual do GOTY da Gamespot.

    • Sandman

      A diferença pro dash é que lá tem spoiler liberado.

  • Welington Fagundes Busulo

    Excelente programa, um dos melhores até agora!

    Jogo sensacional, trilha sonora incrível e marcante. Fiz só a campanha principal por enquanto pela falta de tempo mas quero voltar a jogar logo logo.

    Mas quero coisa novas e diferentes da Yacht Club, pode ser uma pegada nostálgica mas com uma jogabilidade diferente, um passo a mais.

  • Ary

    Ótimo cast, para um ótimo jogo.

    Sobre a discussão da Sony investir menos indies do que na geração passada, isso acontece por um motivo simples: há tantos indies no mercado de todos os gêneros que acaba sendo melhor ela oferecer experiências em gêneros que as 3rds deixam mais lacunas.

    Se forem avaliar é a mesma razão que fazia ela investir em vários FPS como KZ e Resistance e nessa geração, tirando KZ no buraco de lançamento, não há sentido dela criar concorrentes para COD, BF, TF, Destiny, R6, Far Cry, dentre outros. Mesmo seus indies mais “artísticos” conseguiram seu lugar ao sol com produtoras independentes de modo que Abzu e Rime.

    No Japão para o Vita durante um bom tempo ela usou a mesma estratégia de lançar hunting games na impossibilidade de ter Monster Hunter.

    • Felipe Mesquita

      Mas foi exatamente isso que a gente falou no programa. Que diferentemente do começo da geração passada, hj é tão mais fácil financiar e publicar seu jogo num console (logo tem mais jogos do tipo na plataforma) que tanto developer quanto uma publisher first party tipo a Sony não tem tanto vigor pra ir atrás desses tipos de projeto mais.

      Uma outra razão mas que eu não cheguei a mencionar no programa, é que especificamente a Sony parece ter transferido esse orçamento pra financiar jogos pro PSVR, o que faz muito sentido tbm.

      • Ary

        Sim, só ressaltando que na verdade meu comentário não foi discordando de vocês, apenas tentei complementar o que foi dito.

        O interessante da situação atual é que Nintendo por ter plataformas dependentes de grandes exclusivos tem que adotar uma postura mais conservadora criando jogos de bastante qualidade e bom nível de produção e Microsoft como empresa que tem grande parte dos 3rds tem que adotar uma postura mais agressiva para seu mercado consumidor (americano) e com as facilidades que a Sony tem para vender em todos os continentes, em ter segurança dos jogos multiplataformas e algumas franquias muito grandes, ela tem possibilidade de investir em projetos arriscados que possivelmente não dariam lucro, como Gravity Rush, Wipeout e tantas outras franquias que vocês comentaram.

        Apesar de não gostar dela investir recursos em exclusivos pro VR, de certa forma é uma postura adequada se ela realmente espera alavancar esse novo periférico.

  • Rockfeller

    Que surpresa agradável desse Locadora!

    Vou ouvir agora, relembrando os momentos em que estive jogando Shovel Knight!

    Que por sua vez, foi um jogo que me relembrou os bons tempos de Nintendinho!

    Como sugestão, no futuro vcs poderiam fazer um Locadora falando do Hotline Miami! Q tal?

  • SmokeE3 .

    Engraçado vcs falarem que a Sony mudou o foco nos indies, que na geração passada é que ela estava investindo. Mas como não tive o PS3 na época, parece justamente o contrário, no caso do PS4. Todos os jogos citados do PS3 com Journet, Flow, Flower, Sound Shapes foram trazidos pro PS4 junto com outros como Escape Plan e PixelJunk e nom nom Galaxy.
    Mas além disso, o que me vem á cabeça, da Sony nessa geração
    Guns up
    Kill Strain
    Drawn to Death
    Hohokum
    Everybody’s Gone to the Rapture
    Fat Princess Adventures
    Bound
    Here They Lie
    Helldivers
    Resogun
    Alienation
    Matterfall
    Tearaway Unfolded
    Shadow of the beast
    Hardware: Rivals
    Everything

    Além de jogos indies novos, ainda toda essa busca por refazer jogos que hoje seriam considerados indies, como Papaton, Loco Roco, Parappa entre outros.
    Então, dos grandes estúdios, parece que a Sony é uma das que mais lança indies entre as grandes produtoras de AAA.

    MAS, por quê que isso foi pouco visto por vocês, pq vcs odeiam a Sony? Não.
    Pq esses jogos são ruins? A maioria não.

    Acho que é porque hoje já há tantos indies bons e tantos indies lançando, que está muito mais difícil ganhar um grande destaque, como Journey ou Shovel Knight tiveram.

    E tem também a questão da “ideia que cola no cérebro”, que nem o da Ubisoft com a UbiArt (que foi mencionada), todo mundo lembra, mas se parar pra verificar que foram Child of light e Valliant Hearts em 2014, e aí estamos 3 anos sem nem um anúncio ou lançamento de jogo indie novo, mas a marca “colou”. A é… tivemos Grow home…

    • Felipe Mesquita

      Bom, se vc não teve o PS3 e não for atrás pra ver as diferenças é claro que vai parecer o contrário, mas a diferença entre o numero de projetos feitos nesse tipo de parceria é facilmente verificável. E falar que esses jogos não foram vistos por nós simplesmente não é verdade, especialmente pq joguei 80% dessa lista que vc escreveu ai, que inclusive tem jogos que nem se encaixam no critério como Tearaway Unfolded (que é um produto de escopo AA, que comentamos que tem até ressurgido melhor nessa geração e que na verdade foi desenvolvido internamente), Kill Strain, Hardware Rivals (que tbm são produtos de estúdios internos e não produtos de parcerias com pequenos estúdios independentes) e Everything (que nem da Sony é).

      O argumento é, esse tipo de parceria diminui da ultima geração pra cá, e desde 2015 nenhum projeto desse tipo foi anunciado (salvo jogos pra novas plataformas como PSVR e agora o PlayLink) e a divisão de desenvolvimento externo da Santa Monica Studio, responsável por muitos desses casos tanto na ultimo geração quanto nessa também, não existe mais, e jogos que seriam de responsabilidade desse braço da SMS foram vendidos pra outra publisher (‘Edith Finch, Wattam). Como que da pra tirar outra conclusão que não seja a de que esse tipo de investimento diminuiu sim (e que claramente foi realocado em outras iniciativas como as já citadas PSVR e PlayLink), a ponto de hoje em dia ser ínfimo, quase inexistente.

      E isso não é particularmente uma critica negativa, ninguém precisa vir defender a empresa e jogar outra na fogueira não. É uma situação até compreensível exatamente por todos os fatores de facilidade de captação e publicação de jogos indies na plataforma, que dissemos durante o programa.

  • Almighty

    Que feliz coincidência: há 5 dias sou dono de um 2DS, meu primeiro novo console desde o PS1. E qual o primeiro jogo que testei? Shovel Knight. Fiquei na dúvida se jogaria no portátil ou no PC, uma vez que preciso acostumar com o analógico do 2DS. Depois do cast, vou dar uma nova chance ao cavaleiro da pá no portátil. Até porque gostei do pouco que joguei.

    • Almighty

      Da primeira vez que joguei no 2DS, morri várias e várias vezes na primeira fase. Uma semana depois, após acostumar com o analógico do portátil, recomecei o jogo e passei de primeira sem morrer 😀

  • Samuel Cabral

    Estou a muito tempo querendo comprar o Shovel Knight.. ainda nem escutei o cast.. mas aposto que vou acabar comprando depois de ouvir.. uahuahuahahuhua

  • Gyselle P. Teixeira Correia Li

    Mais um cast maravilhoso!
    Sugestão de tema: Chrono Trigger 😀

  • Obryan Oliveira

    Olá! Gostaria de parabenizar o trabalho de mais de 2 anos e gostaria de sugerir um tema. Um locadora da saga ONIMUSHA.
    Talvez a minha opinião sobre o Twilight Princess não tenha agradado, mas acho que onimusha é unanimidade kkkkkkk. Abraços.

  • PsicoHélder Soúlima

    Bora escutar essa obra do senhor Au.