RELOADING #009 – Igarashi, Vazamentos e PS4 Caolho

reloading-09

 

Nesse episódio, Bruno Carvalho, Edu Aurrai  e Felipe Mesquita  falaram sobre outro sucesso do Kickstarter, Bloodstained, do Igarashi, os planos da Nintendo para o futuro, a Reação da Microsoft na briga pela geração e a pirataria chegando ao PS4.

Duração:  95 min

 

Comentados:

Kickstarter do Bloodstained, sequência espiritual de Castlevania

Imagem da Nintendo descrevendo o NX

 

Envie seus e-mails com sugestões, críticas e comentários para ouvinte@reloading.com.br

Siga o Reloading no Twitter @reloadingbr

Curta nossa página no Facebook http://facebook.com/reloadingbr

Assine o nosso Feed http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

Ou no iTuneshttps://itunes.apple.com/br/podcast/reloading-atualize-se-gamer!/id991994199?mt=2

Problemas para localizar o Reloading no seu aplicativo de podcasts? Em vez de buscar pelo nome tente usar o link no campo de busca => http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

 

Compartilhe:
  • Roger Vincoletto

    Legal a discussão sobre pirataria e de terem a CORAGEM de falar que o verdadeiro motivo é levar vantagem, olhar para o proprio umbigo… garanto que, dos que pirateiam, só uma ínfima parcela é de gente revoltada com o governo, impostos e tal. A grande maioria é bem do tipo “pra que ser trouxa e pagar se posso ter pirata baratinho”? Essa é nossa cultura…

  • Conde Ferreira

    é triste sabe que vamos voltar para o “Lado negro da força” logo agora que estamos sendo um mercado importante mundial…. espero que as autoridade torne atitudes e prendar esses “bandidos” e que a Sony faça uma função tecnológica na qual delete o jogos do HD ou ate bloqueie o console quando acha conexão On-line(que hoje em dias é mais que necessário)..
    e acho que a Microsoft deveria se junta a Sony e cair em cima do Brasil para lutar contra isso!

  • http://gabrielbubasg.blogspot.com.br/ Youtube – Canal Gabriel Buba

    parabens! me passa o torrent depois.

  • Wesley Rocha

    Acho que foi o Bruno que falou sobre ter uma continuidade entre suas ações de um jogo para outro, por exemplo, o fim “escolhido” por você no primeiro capitulo de the walking dead influenciar no próximo jogo, isso é possível usando máquina de estados, porém dependendo da implementação a complexidade do código do jogo deve aumentar, pois cada novo jogo se adiciona um novo nível de possibilidades em progressão geométrica. Uma forma de diminuir a complexidade dessa implementação é ligar os episódio/jogos somente ao jogo imediatamente anterior, dessa maneira é bem possível, basta ler seu save no jogo anterior e gravar o final que você chegou, imaginando que você possua dois finais possíveis, a partir deles você pode criar para cada um deles um final possível ou dois finais possíveis, cedo ou tarde você teria que ignorar as decisões anteriores para diminuir o escopo da história. Computacionalmente é possível, a dificuldade é em relação a amarrar a história do jogo.

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      O Witcher novo está com umas paradas de continuação de save assim, não?

      • Wesley Rocha

        Não sei, pois estou por fora da nova geração, estou boicotando e meu pc não roda esses jogos mais recentes. Hahahaha

        • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

          Mass Effect também era assim.

  • Luan Alves Neves

    Pessoal, depois de ouvir o cast, achei que todos deveriam ver isso. KKKK

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Não duvido nada hein, rs.

  • Tiago Miguel

    Acho que o problema da pirataria no Brasil só será controlado quando tivermos uma melhor distribuição de renda e preços mais acessíveis.

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Pra te ser bem sincero, eu não tenho mais esperança de que essa cultura enraizada no nosso pais mude tão rápido. O que prego é que cada um apenas faça a sua parte que já estará sendo correto.

      Mesmo que o cara pense: ah, mas eu fico certo aqui me ferrando e todo mundo faz errado. Não importa, quanto mais pessoas se conscientizarem de simplesmente optar pela honestidade, um dia, mesmo que demore muito, a coisa melhora.

  • Vinicius Ferreira

    Não estava gostando do rumo que o tópico da semana estava tomando. Parecia que eu estava levando uma bronca por uma coisa que eu nem fiz. Mas li um comentário aqui em baixo que me fez mudar de ideia e pensar que ainda tem gente que não entende a consequência dos seus atos. Isso é triste.

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Foi mal, amigo. Na verdade estávamos nos dirigindo a essa galera que quer bater no peito se achando espertão sem nem preocupar com as consequências dos seus atos. Nada, pessoal, tamos na paz, hehe.

  • Alex Xavier

    Como brasileiros ainda não desenvolvemos plenamente a mentalidade capitalista.
    Ainda esperamos empregos no governo, sustentabilidade social também vindo de recursos governamentais e uma imagem de que o empreendimento capitalista é injusto.

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Pois é, foda que além dessa cultura dos “espertões” ainda existe a cultura da derrota no nosso país, onde o sucesso de alguém é motivo pra raiva de outras pessoas. Aí o cara fica sempre naquela que está sendo explorado, que não tem oportunidade, que só se ferra e blábláblá e acha justo querer dar uma de esperto achando que está prejudicando o governo e os “empresários malvados”.

  • Ruhan Gohan

    Gostei tanto que vou deixar outro comentário. 🙂
    É uma dúvida que tenho, que é relacionada a indústria de videogames, mas não tem tanta relação com o que conversaram nessa edição, então prefiro comentar aqui ao invés de enviar um e-mail.
    Sobre portáteis, li outro dia que o playstation vita vendeu até agora menos de 9 milhões de unidades, enquanto o 3ds já vendeu mais de 40 milhões, talvez até mais de 50 milhões.
    Eu entendo que os exclusivos da Nintendo no geral são mais interessantes para os portáteis, mas se for essa diferença mesmo parece algo absurdo. Dá no mínimo, 4 vezes a mais de vendas em relação ao portátil da Sony.
    Como a Nintendo consegue ir tão bem nos portáteis? É por que a Sony não investe no vita?

    • Felipe Mesquita

      Bom Ruhan, um grande fator de sucesso dos portáteis da NIntendo são as IP’s clássicas como você falou, e também o retrospecto de portáteis da marca. Desde 1980 (Game&Watch) a Nintendo já faz portáteis e a partir do Game Boy em 89, a marca já virou referencia nesse mercado.
      Se formos analisar os números do 3DS, que hoje bate algo em torno de 52milhões, ele perde para todos os portáteis anteriores da Nintendo (o DS por exemplo vendeu algo em torno de 150 milhões). Visto isso, sabemos que o mercado de portáteis hoje enfrenta uma concorrência com os dispositivos mobile.

      Vamos ao caso da Sony com portáteis.. O PSP foi lançado em 2004 no Japão e 2005 no resto do mundo, e seu mote é ser um portátil com specs bem potentes para rodar jogos de todos os gêneros com gráficos bem bonitos (mesma ideia inicial do PS Vita). O PSP vendeu super bem e ultrapassou a marca de 80milhões de unidades vendidas. Apesar de ter perdido de uma forma até expressiva para o DS naquela geração, o PSP encontrou o seu nicho, teve jogos sensacionais e de sucesso de franquias como GTA, Monster Hunter e God of War, e sobreviveu com suporte oficial por 10 anos.
      Quando o Vita foi lançado, smartphones e tablets ja haviam conquistado um grande território desse mercado, contando até com vários jogos da própria franquia GTA. A Sony tentou trazer algumas IP’s conhecidas do grande publico para o PS Vita. Uncharted, Assasins Creed e Call Of Duty, estão presentes no portátil, mas são jogos que apelam mais ao publico do home console. A grande força do Vita são os Indies. Quase toda semana saem jogos novos e de qualidade, mas que não tem tanto apelo comercial como os títulos mais esporádicos da Nintendo. Outro fator é que muitos desses Indies estão presentes no PS4 e o console da oitava geração também é fator para a negligencia que o Vita sofre. A Sony sabia que não podia cometer os mesmos erros do inicio do PS3 e focou bastante no desenvolvimento do seu próximo videogame de mesa. Deu certo, e com o sucesso do Play4 faz mais sentido continuar investindo e focando nele. Hoje o Vita acumula algo em torno de 10,5 milhões de unidades em 3 anos, enquanto o PS4 tem 22 milhões em menos de 1 ano e meio.

      Analisando tudo, o mercado do portátil como um todo diminuiu e perdeu espaço para os mobile e até a Nintendo sofre com isso. Ela reina no mercado e ainda apresenta numeros interessantes porque tem Pokemon, Mario, Zelda, Animal Crossing e outras franquias que já são sucesso nos portateis. Enquanto o Vita tem o suporte sensacional e massivo dos Indies, a grande maioria desses jogos estão presentes também no PS4 o que acaba ofuscando seu irmão menor. É uma pena pois o PS Vita é um console fantástico que tem jogos digitais incríveis e vários jogos clássicos do PlayStation 1, além de ter uma integração muito bacana com o Play4.

      • Ruhan Gohan

        Foi uma resposta bem completa, deu de entender bem a situação. Obrigado!

  • Ruhan Gohan

    A edição dessa semana ficou excelente, principalmente pela discussão sobre a pirataria e em como isso pode afetar negativamente a todos que gostam de videogame. Inclusive aquela parte final dela onde sugeriram o que poderiam fazer com quem é adepto dessa prática. Não vou comentar o que falaram para não dar spoilers, mas saibam que ficou bem engraçado.
    No meu caso, acredito que seria até justificável a pirataria, mas ainda assim eu tenho fugido dessa prática para incentivar a indústria a melhorar de outra forma. Seria justificável porque sou deficiente visual (só enxergo um pouco de luz, logo jogo somente me guiando pelos sons), enquanto a indústria ainda não é muito madura em relação a casos como o meu.
    O que faço para tentar mudar isso é apoiar quando há alguma mudança positiva. Exemplos, procuro comprar jogos onde se preocuparam com a acessibilidade, como aconteceu com o Skullgirls e com o Injustice. Procuro também divulgar quando acontece algo positivo em relação a acessibilidade, principalmente para deficientes visuais como eu. Um exemplo foi uma atualização da Sony onde implementaram várias melhorias de acessibilidade, que consegui passar para algumas pessoas.
    Eu queria ter mais influência nessa indústria para fazer mudanças maiores, mas já que não tenho, ajudo como posso. Agradeço a edição dessa semana, que foi a melhor que já escutei do Reloading. Continuem assim.
    Aliás, apoio a discussão da semana, mesmo que deixe o podcast maior. Caso um número considerável de pessoas peçam para tirar, uma sugestão para vocês é deixar marcações de tempo na descrição do podcast para que essas pessoas possam pular ela.

    • Robson Gonçalves

      Apoio cara… Tanto no incentivo, pois os caras precisam de dinheiro circulando em seus caixas para nos atualizar com novas tecnologias, como a sugestão de marcações em que cada topico começa a ser comentado no cast. O Braincast usa esse modelo de marcação nos post deles e eu acho excelente!

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Boa sugestão essa to tempo. Discutiremos a respeito. Valeu Ruhan! Abraço, cara!

  • Schmidt

    Nos brasileiros adoramos pirataria, hipocrisia, levar vantagem e dar uma de esperto!! Bom não é exclusividade nossa e nem somos todos assim neh! Mas a grande maioria do nosso povo é, tanto quem tem pouca grana como quem tem muita. Como a maioria da galera tive games piratas no ps1, mas a partir do ps2 quis pagar por meus jogos, pois gosto deles e quem os fez merece e deve ser pago e não vou apoiar uma pessoa que copia e vende propriedade intelectual dos outros, acho isso péssimo e não vou sustentar um esperto me achando espertinho quando na verdade dou tiros no meu pé. Os jogos são caros, sim eles são, mas tem tanta coisa absurda de cara que compramos e não reclamamos nada. Se esta caro não devemos comprar, seja o que for, e se está caro também não roube, seja comida, um carro, par de tennis ou um game!!!
    Não concordo com DRM, mas quem hoje vive sem internet?? A solução pra pirataria devia ser a consciência de cada um, mas o futuro sera mais impiedoso e possivelmente não iremos comprar games, iremos assinar games ou compras digitais como já temos hoje? Quem sabe, mas a pirataria não pode vencer, pelo simples fato de não ser algo correto!!

    • Robson Gonçalves

      Duas coisas…
      1° Virou um vicio cultural o brasileiro comprar coisas piratas…
      2° acho que de uns 5 anos pra cá isso tá mudando, mediante o proprio esforço e facilidades que as desenvolvedoras nos provêm como midias digitais mais baratas que as fisicas, promoções e jogos localizados para o nosso idioma!

      • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

        E a conscientização da galera também. Aquele lance de cada um pensar em fazer sua parte para o bem maior. Hoje em dia eu vejo os “espertões” por aí, mas ainda bem que a maioria me parece que largou essas práticas o tanto quanto possível.

        • Robson Gonçalves

          Isso!
          A conscientização Junto com um remedio poderossimo chamado Steam! Sério cara! nunca vi nada igual, nem mesmo a psn ou a live tem preços ou promoções tão atrativas quanto o site de serviços e /ou programa da Valve!

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Perfeito.

  • M.Lopes

    Nossa… os coitadinhos da Ubisoft e das outras empresas vão morrer de fome por causa das pessoas malvadas que nunca comprariam um jogo original e que pirateiam jogos. Que triste gente, não façam isso. Paguem 230 reais nos lançamentos e batam palminhas de alegria.

    • Márvio

      Se depois de todo o cast, a única coisa que você absorveu foi isto. Eu apenas sinto por você.

      • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

        Pra tu ver, meu caro…

        • A MORTE

          Realmente isso chega a ser triste…

          ps: Obrigado STEAM por me livrar da pirataria, estou limpo a mais de 6 anos.

          • Wesley Rocha

            O problema não é o cara não concordar com os preços, é mesmo não concordando achar que tem direito de ter o produto de graça, quer boicotar? pode boicotar, mas piratear não vai ajudar em nada.

            • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

              É aquela parada da oferta e procura. Se não tiver procura a oferta aumenta. Mas aí tem o lado correto, que seria simplesmente boicotar e procurar um meio legal que lhe seja mais acessível, do que simplesmente exaltar o estereótipo do “brasileiro” e sair querendo dar uma de espertão.

  • Carlos Luiz S. Junior

    Excelente programa mais uma vez…..
    E calma Senhor Edu, calma senão você terá um treco! O problema da pirataria é grave sim, porém ainda pode ter solução, se a situação piorar sua saúde e paciência vai embora cara! Abraços a todos!

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Valeu, brother, já estou mais calmo, hehe.

  • Lucas Vinicius

    Podiam fazer Metal gear no estilo République para mobile?Não sei se ja tem mas acho que seria ok.Sobre as paradas eu não sabia que eram multiplas e tals.Eu comprava pq eu no meu mes sobre uns 50 conto e não acho outra maneira de comprar os jogos que sou fã.

    • Felipe Mesquita

      Cara, o République já é quase um Metal Gear mobile né? Tanto que o Ryan Payton, que foi quem criou o Republiqué trabalhou muitos anos com o Kojima e foi um dos produtores do Metal Gear Solid 4

      • Lucas Vinicius

        Dessa não sabia.

  • Auridian

    Eu não vejo muito problema na pirataria (aquela de baixar software/game), acho que quem curte o software vai atrás do produto original, e quem não curte vai baixar de qualquer forma e acredito que isso não seja uma pirataria pois isso, a meu ver, não conta como “possível” venda do produto — embora eu provavelmente esteja errado. Sai da pirataria com o primeiro The Witcher, gostei tanto na época que quis comprar o jogo e acabei conhecendo o GOG (e este me levou a Steam), e hoje (praticamente) todos os jogos que baixEI pelo torrent tenho na Steam.

    Parabéns por mais um cast bacana. Uma coisa que acho que ficou faltando (porém/e nem sei se vocês conhecem o termo) foi falar sobre o “custo-brasil”, naquele momento que falaram sobre os preços da Apple e tals; é o quanto “alguns” brasileiros estão dispostos a pagar de uma forma que o lucro ganho, com esses brasileiros, sobreponha o lucro quando é vendido a preços “normais”. Isso é muito comum com os preços de carros vendidos no Brasil, nas quais as margens de lucro são maiores que em outros países.

    PS: A sexta-feira é realmente o melhor dia para lançar o cast? Nas sextas saem monte de podcasts, acho que outro dia da semana talvez fosse melhor.

    • Robson Gonçalves

      Putz cara! acredito que a pessoa que não seja simpatica ao produto, simplesmente não compra. Mesmo assim, se rolar curiosidade, existem as demos, uma especie de “first look” do produto em desenvolvido. Por fim, mesmo que a desenvolvedora não libere um demo do jogo, há outras formas: Jogar um pouco em lojas especializadas, o velho “peguei emprestado” e até mesmo (o que não é 100% confiável pois não se tem uma noção total) os inumeros vídeos de pessoas que experimentam o jogo e postam nos youtubes da vida!
      O problema é como eu descrevi antes: Está entranhado no DNA de boa parte da população! 🙁

      • Auridian

        Acredito que as demos, assim como os videos de outras pessoas jogando, dificilmente fará o pirateiro (aquele que baixa, joga um pouco e nunca mais; passa mais tempo armazenando como se houvesse um apocalipse a qualquer momento) ter certeza se quer realmente comprar determinado produto — embora na teoria fosse pra funcionar, já que ele nem joga todo o jogo. Em fim, a pirataria tá que nem as drogas e a prostituição, por mais que palavras sejam ditas e ações sejam feitas, não acho que vá mudar o pirateiro experimentador.

    • Felipe Mesquita

      A parada é que o programa também é gravado na sexta, pra que tenhamos as noticias e os lançamentos bem atualizados. Como é um resumo do que aconteceu na semana, faz sentido lançar no fim de tarde da sexta feira.

    • Wesley Rocha

      Realmente isso é algo que ocorre nos automóveis, muitas pessoas pagam por produtos preços mais altos pois existe uma teoria dentro da Escola Austríaca chamado teoria do valor subjetivo. Cada pessoa atribui um valor para um produto de acordo com o que ela acha justo, por isso como no Brasil a maioria das pessoas veêm o carro como algo além de sua função básica que sería de meio de transporte, pois utilizam a beleza como um importante parametro e também a ineficiência do transporte público tornam o carro um item de maior valor. Para constatar isso, basta perceber que milhares de pessoas adquirem um carro antes mesmo de adquirir uma casa, isso ajuda a inflar o preço. O mesmo ocorreu e ocorre com os produtos apple e ocorreu com o playstation 4. Isso não exime de culpa o Estado dos altos custos dos impostos que ajudam a inflar esse “Custo Brasil”, mas o fato das pessoas estarem dispostas a pagar um preço acima do praticado nos outros mercados é um fator de suma importancia por esses altos preços.

      • Auridian

        Intessante, vou procurar esses termos pra me aprofundar mais. Valeu!

        • Wesley Rocha

          procure o site Mises Brasil, trás uma visão de livre mercado e aborda esses temas. Segue link do artigo sobre o preço dos carros no Brasil:
          http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1027

          • Auridian

            Esse artigo apesar de antigo, é bastante esclarecedor. Eu simplesmente havia visto esse negócio de custo brasil em uma antiga repotagem da record, mas creio que esse link ae está mais completo. valeu pelo link.
            att

            • Wesley Rocha

              Esse site é sobre a Escola Austríaca de economia, por isso a explicação é bem detalhada.

            • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

              E ainda tem nessa a parte dos vendedores que não são concessionárias (ou até elas) e seus esquemas com as instituições de crédito, além das próprias instituições em si. Nego vê que consegue pagar uma parcelinha de 500 conto por mês e mais nada. Aí aceita, é entochado de juros abusivos (que ele aceitou pagar de boa), se endivida, mas continua querendo pagar de fodão. Além do fator econômico, tem a disposição do pessoal em pagar isso sem reclamar ou boicotar. E engraçado que nesse caso você não vê o cidadão comprando um “carro pirata”. O cara se entope de dívidas mas não baixa a crista. Precisa ter sangue de barata pra conviver com nossa cultura popular.

      • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

        Exatamente, foi o que citei quando falei da Apple. Sobre automóveis é uma parada revoltante. Além dessa cultura, da precariedade do transporte público e da falta de incentivo a meios de transporte alternativos, ainda tem a publicidade que não está aí pra fazer caridade pra ninguém e manda ver em campanhas pra corroborar essa inflação de preços. Nego encara carro como bem ativo.

        • Wesley Rocha

          Eu fui um desses (hahahha), comprei meu carro não necessariamente como bem ativo, mas era essencial para mim, porém optei pelo seminovo que apesar de ter o sobre preço assim como nos novos, esse valor não é tão absurdo quanto no carro zero.

  • Doutor Gori

    Parabéns! Só ouvi verdades sobre a pirataria no Brasil.

    A Sony já considera o Brasil como mercado subdesenvolvido, que consome produtos já saindo de linha lá fora (vide preço de ps4 pra não desestimular vendas do ps3). Agora acredito que ficará ainda mais dificil ela crescer o investimento no mercado nacional.

    Se considerarmos ainda que ela investe pesado em streaming, existe grande possibilidade de termos cada vez mais esse tipo de serviço, e mais ainda se considerarmos que o EA Acess também foi bem sucedido até agora, com uma proposta um pouco diferente, mas também com assinatura.

    Inclusive acho que a assinatura streaming é atualmente a melhor solução para retrocompatibilidade, mas para os jogos mais populares com multiplayer competitivo, estamos longe de tornar o streaming viável.

    Outro ponto é que todo mundo criticou a postura da Microsoft sobre checagem de DRM 24h, e agora poderemos ter a ironia máxima se a Sony acabar sendo a primeira a implementa-la na prática.

    • Robson Gonçalves

      Concordo contigo cara!
      Agora duvida básica aqui: num futuro proximo (por aqui pelo menos) vc pode jogar diretamente na sua TV, sem console e via streaming, apenas assinando um pacote de serviços, seja ela da Sony, EA ou até mesmo Microsoft!?

      • Doutor Gori

        Em jogos de retrocompatibilidade sem multiplayer competitivo provavelmente sim, mesmo no Brasil, já pressupondo que o publico alvo do serviço, que poderia pagar por ele, em sua maioria também tem conexão próximas ou acima de 5mbps.

        Já os COD, BF, FIFA, jogos de luta (muito populares) que necessitam de latência e velocidades adequadas, o serviço do tipo EA Acess atenderia melhor, e a assinatura sem o console (somente tv) não funcionaria bem.

        Ou seja, teremos cada vez mais serviços de streaming, mas num futuro próximo eles nao vão substituir os consoles.

        Se não me engano o próprio Bruno Carvalho já testou o serviço por aqui e funcionou bem (mas ele disse no programa 008 que tem internet fibra)

        • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

          Cara, como tu disse, pra jogos leves rolaria bem, mas não é preciso muita coisa pra “adaptar” uma TV pra isso futuramente, posto que depende teoricamente mais da banda do que do hardware. Digo por quando testei a OnLive (vide comentário acima).

      • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

        Sim. Qualquer coisa que tenha o mínimo de capacidade de processamento e calhe de ser compatível com um meio de entrada (joystick ou semelhante), tem potencial pra ser plataforma de streaming. Como o negócio vai estar rodando remotamente, o processamento que você precisa é pequeno, dependendo mais da banda. Quando eu testei o OnLive há uns anos atrás, eu rodei o Civilization 5 num notebook que eu tenho aqui que nem placa gráfica tem.

        O Steam tem um esquema caseiro bacana de streaming. Eu rodo games pesados no meu PC e uso o notebook pra jogar na TV da minha sala com o joystick rodando direto no note.

  • Bruno

    Olá meu nome é Bruno, e eu tenho que admitir, fiz preorder do Batman, vou ter que jogar a medalha de 1 ano sem preorders fora agora. Mas a rocksteady não decepciona!! E está a 80 reais no Nuuvem, 40 a menos que a steam. Como todo bom viciado, tenho que me justificar para acreditar que foi uma coisa boa.

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Amém, irmão. Tamos junto.

  • Rafael de Sousa

    Eu tinha lido uma reportagem do Uol sobre esse desbloqueio, onde o repórter perguntou à pessoa que faz o desbloqueio se era conta compartilhada. O cara responde que não, mas pela explicação do processo se percebe que é uma “conta compartilhada gourmet”. Quando a Sony banir essa conta principal, vai ser tipo desligar um Hive mind.

    • http://fechouoquekirida.com Vinhado

      “conta compartilhada gourmet”

      LOL

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      E essa semana o mesmo UOL procurou a galera de novo. Segundo a matéria, a maioria pulou fora. Embora eu tenha lido relatos de que ainda esteja fácil de achar o “serviço”.

  • Leandro alves

    Eu espero que novo projeto do criador do castlevania vingue. E sobre a pirataria, fui salvo pela Steam a um ano atrás

    • Robson Gonçalves

      Tava conversando a respeito uma dia desses sobre esse projeto com um amigo. Ele só jogou aquele que “Em time que está ganhando não se mexe”. Estranhei aquilo de inicio, ai como bom nerd fui dar uma pesquisada, e fiquei maluco, pois boa parte da equipe vai retornar para a “confecção” do jogo e com um aditivo: O dublador clássico do Solid Snake vai estar no time de dublagem!

      Venha Logo Sucessor do Symphony of the Night!

      • Robson Gonçalves

        Tava revendo aqui… pouco mais de 8 dias, os caras já tem 2,5 milhões no caixa! ‘-‘
        Só queria saber que opção é aquela de 3 milhões que só se vê o valor!
        Ah e como deve ser esse “IGA’s biggest Castle” de 2,75 milhões! 😛

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Amém! Tamo junto, hahahaha.

  • Robson Gonçalves

    Sobre a pirataria… É tudo uma questão cultural… o termo “o barato sai caro” não entra na cabeça dos nativos tupiniquins, pelo menos na esmagadora maioria!
    Se formos ver mais a fundo, uma serie de fatores contribuem para esse “estilo de vida”, mas a meu ver uma das mais fortes, acredito eu, vem daqueles que escolhemos para governar e “redigir” nossas leis.
    Video-Game é considerado jogo de azar! o que não faz sentido nenhum! Isso já faz a taxa de impostos em cima do preço serem altissimas. A justificativa deles é por causa daquelas maquinas de bingo eletrônico que, eles sim, são considerados jogos de azar! Uma pessoa com o minimo de dicernimento sabe que games nada tem a ver com maquinas de bingo!
    Para piorar a situação, dificilmente eles vão mexer na lei, não sei se por preguiça, ou por que é deveras conveniente, vai saber.
    Como uma bola de neve isso vai repercutindo até o consumidor médio, que vê na pirataria uma oportuinidade de uma jogatina por um preço mais acessivel…
    Solução!? Tem, mas é dificil. diminuir os preços seria uma alternativa mais imediata, mas para isso a lei teria que ser revista, e para isso teria que haver politicos com esse intuito, o que não acontece no momento. Então amigo, se você vota em um cidadão pelas propostas dele, cobre por aquilo ele se comprometeu a realizar. Sei que já estou generalizando, mas tá valendo!

    Abraços e até a próxima!
    Votem em mim! 😛

    • Leandro alves

      amigo, concordo com o que você falou. mas não acho que vai ter político mexendo para baixar os preços dos jogos tão cedo. O tal do Moacir da ACI Games fez alguma coisa mais relevante que o preço justo? (que pelo ouvi falar, é mal executado) mas acredito que a pirataria no Brasil vai baixando aos poucos, pois pela moda de jogar online com os amigos, cada vez mais estão aderindo a pegar o produto original. em ritmo lento, claro. mas é melhor do que nada

      • Robson Gonçalves

        Exatamente! Eu vejo as mudanças aqui mesmo no meu circulo social… onde antigamente o sujeito se vangloriava porque tinha 200 jogos piratas e não jogava nem 10% deles! Mas com as constantes atualizações nos consoles dessa e da geração passada, as pessoas (pelo menos com um poder aquisitivo médio) procuram comprar suas midias fisicas e digitais originais!
        Mas no final das contas uma grande maioria procura meios ilicitos para jogar, mas não há como negar que isso está começando a mudar!

  • Robson Gonçalves

    Deixa ver deixa ver! Trilha sonora dessa edição: tony hawk pro skater!
    Ou será que falei merda!? ‘-‘

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Na mosca. =)

      • Grillo

        Sério?!?!?! Eu vim seco pros comentários perguntar se era WWE: Smackdown vs Raw 2005 )))))))):

        • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

          Tony Hawk 1, 2 e 3 =)

          • Grillo

            Então é muita coincidência mesmo. No jogo que eu citei também tem Bring The Noise e When Worlds Collide

            • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

              Mas fica aqui a sua sugestão pra um próximo.

  • Luciano Bullock

    Edu tava exaltado nesse cast, teve uma hora que falou uns 15 minutos direto sem tomar fôlego, pensei que ia ter um treco hehe.

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Verdade. Eu fico puto com nego querendo pagar de esperto nas costas dos outros, cara. Exaltei, rs.