Reloading #035 – Blizzcon, Sexismo e Fallout 4

reloading-35

Nesse episódio, Bruno Carvalho, Edu Aurrai e Felipe Mesquita falaram sobre as novidades da Blizzcon, censura em Street Fighter V, Call of Duty: Black Ops 3, Fallout 4 e muito mais…

Duração:  114 min

Comentados:

>BlizzCon 2015 – Cerimonia de Abertura
>Warcraft (filme) – Official Trailer
>World of Warcraft: Legion Cinematic Trailer
>Overwatch Gameplay Trailer #2
>Call of Duty: Black Ops 3 – Last vs. Current-Gen
>Entrevista: Qual a razão da Treyarch manter o co-op local em Black Ops 3?
>Lista de Jogos disponiveis na retrocompatibilidade do Xbox One
>EA SPORTS UFC 2 | Vision Trailer | 
>MASS EFFECT Official Video – N7 Day 2015
>Street Fighter V – Rainbow Mika censurada?
>Street Fighter V – Cammy censurada?
>Coelho Malandro do Nintendo Badge Arcade

Envie seus e-mails com sugestões, críticas e comentários para ouvinte@reloading.com.br

Siga o Reloading no Twitter @reloadingbr

Curta nossa página no Facebook http://facebook.com/reloadingbr

Assine o nosso Feed http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

Ou no iTuneshttps://itunes.apple.com/br/podcast/reloading-atualize-se-gamer!/id991994199?mt=2

Problemas para localizar o Reloading no seu aplicativo de podcasts? Em vez de buscar pelo nome tente usar o link no campo de busca => http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

 

Compartilhe:
  • Maycon Fernando Silva Brito

    De boa, primeira vez que escuto este cast. Não volto mais. Minha crítica construtiva que deixo aqui é que os participantes não sabem discutir, são levemente passivos agressivos insistentes. Cada um preocupado em deixar o seu ponto de vista prevalecer, com exceção do Edu.

  • http://garotagamer.com/ Stel Byrn

    Esse foi o primeiro cast desse site que escutei, e fui nesse logo pelo tema ter sexismo no meio, mas quando chegou nessa parte, me decepcionou um pouco. Acredito que o rapaz se expressou mal, até pq ele estava demonstrando só uma visão muito fechada, na minha opinião. Afinal a “censura” não deve ser só por causa de crianças.

    Sou mulher e apaixonada pelo mundo dos games, mas gostaria muito de não ter que me incomodar com a maioria das coisas que vejo nos mesmos… já tenho que ver esse tipo de coisa na vida real, em filmes, animes, series, jogos, etc. Então se começar a restringir esse tipo de conteúdo pelo menos em um deles, já é uma evolução. Não tem isso de fazer no “mundo real” antes, ou será q tenho q esperar q isso se resolva antes de poder ter algum tipo de diversão como jogar algo sem ter q aguentar esse tipo de coisa?

    Pelo menos a maioria dos comentários daqui estão bem sensatos, e é bom ver que já tem tantos homens que defendem jogos sem essa hyper sexualização. É engraçado que muitos homens reclamam por não terem muitas mulheres em games, mas muitos deles não entendem que um conteúdo com mulheres semi nuas podem ser ofensivos para as mesmas.

    É claro que jogo, vejo series, filmes e animes com esse tipo de conteúdo, afinal se não o fizer, não farei mais nada. Eu era acostumada a simplesmente ignorar, mas fico feliz que hj em dia tenham essas discussões, que espero que comecem a mudar as coisas. O novo tomb raider ta aí pra mostrar que é possível ter uma mulher forte em games sem ser hyper sexualizada.

    Vou escutar mais alguns episódios do reloading pra ver o que acho… mas acho que vocês poderiam chamar garotas pra gravarem tb, acho que teria sido uma boa uma de nós debatando esse assunto com o rapaz aí (acho q Bruno)

  • Esquerdopata

    Creio que o Bruno tenha sido muito infeliz nos comentários a respeito de sexismo nos games assim como apontaram diversos amigos da área de comentários. Em primeiro lugar ele usou um argumento extremamente falho ao dizer que a pessoa deve primeiramente ver como cria os filhos (usando exemplo de funk e de comprar GTA para o filho) e depois se preocupar com video games, sendo que as garoas que lutam por games menos sexistas não são as mesmas que postam videos da filha dançando funk. Em segundo lugar o game é uma expressão humana e portanto é reflexo do mundo real e também causa reflexo no mundo real, diminuir o machismo em games ajuda no mundo real e vice-versa. Essa luta não é para nós homens nos sentirmos melhor é para as mulheres se sentirem mais confortáveis ao jogar video-games, todo mundo sai ganhando com um ambiente mais saudável. Não adianta dizer que desde sepre os games foram machistas, o mundo tbm foi sempre machista e estaos tentando mudar isso, entao gente vamos aceitar e ajudar a transformar os games em um ambiente que seja confortável para todas as pessoas.

    • Auridian

      Até que ponto diminuir algo na ficção vai ajudar algo no mundo real?
      Será que a culpa da violencia no mundo seria por causa dos filmes, dos livros, da música e/ou dos jogos violentos?
      Já existem jogos/filmes/whatever assim confortáveis para todos… e eu não estou tirando sarro ou sendo um simples opositor de suas ideias, só quero saber mesmo o que uma coisa muda em outra mesmo.

      • Esquerdopata

        Eu não disse que a culpa do que acontece no mundo real é da ficção, mas não adianta tentar separar ficção como se fosse u produto isolado que não atinge o mundo real. Nós somos seres sociais e nossa interpretação de mundo e ações são moldadas por diversos fatores, vão desde criação em casa, escola e amigos até os produtos que consumimos por prazer, como cinema, HQ’s, teatro, música e games. Os produtos obviamente são reflexo do nosso mundo pois são concepções de pessoas de verdade, por mais que seja um game de fantasia co dragões é um game criado a partir da ideia que uma pessoa tem de como seria uma fantasia sobre dragões. Um garoto que cresce achando normal que garotas em games são hipersexualizadas e estão ali para serem sex symbols e o ajudarem a bater punheta tem alguma repercussão na maneira de ver o mundo. A repercussão não é total obviamente pois como disse existem diversos fatores na construção de um sujeito social. O que é infeliz é tentarmos isentar algum dos itens que ajudam a construir a sociedade por motivos imbecis e com argumentação extremamente falha como a que o Bruno apresentou, usando falácias absurdas.

        • Auridian

          Os produtos obviamente são reflexo do nosso mundo pois são concepções de pessoas de verdade, por mais que seja um game de fantasia co dragões é um game criado a partir da ideia que uma pessoa tem de como seria uma fantasia sobre dragões.

          São somente ideias e pensamentos, cada um tem o seu. No entanto que não faça mal na vida real, não há problema algum — e isso vai de quem esteja jogando, digo, de uma pessoa com suas próprias ideias, não uma criança (como falarei mais abaixo).

          Um garoto que cresce achando normal que garotas sem games são hipersexualizadas e estão ali para serem sex symbols e o
          ajudarem a bater punheta tem alguma repercussão na maneira de ver o mundo.

          Um garoto, pois é disse muito. Um garoto. Eu (e todas aquelas pessoas maduras que sabem separar realidade de ficção) até não tenho nada contra se a Capcom fez isso em vista de diminuir a faixa etária de seu jogo para abranger um público maior, mas cortar isso por causa de ideias e sentimentos, convenhamos, é muito rídiculo. É por isso que É responsabilidade dos pais saberem o que os filhos estão fazendo, e não simplesmente deixar que o video game (ou qualquer outra coisa) os substituam — então o argumento do cara não é de forma alguma falho.

  • marcello morales

    Nunca ouvi tanta merda sendo falada sobre um jogo em tão pouco tempo.
    Fallout 4 tem o grafico mais realista? não, porém isso não faz o jogo feio. agora vai me dizer que arte é feia so porque não é realista, além de que é facil fazer grafico foda(como no last of us) quando tu so tem que renderizar mapa pequeno e um caminho só.
    Agora voce comparando o fallout 3 com o 4 é engraçado e dizendo que “você foi a unica pessoa que gostou do inicio”, essa frase aplica-se a voce também, ja que você gostou do 3, o pior jogo dos 5 jogos(o tactics e tão merda que não conta).
    O seu comentario sobre o grafico do 4 ser melhor pior que o new vegas, deve ter sido piada ou sua memoria do jogo ta bem ruim. Eu sei que o grafico ta melhor porque fiz uma maratona de todos os jogos da serie desde o 1 até o new vegas antes do fallout 4 ser lançado.

  • Wesley Rocha

    Sobre o assunto do sexismo e faixa etária dos games, no meu ponto de vista cabe aos pais das crianças decidirem o que eles devem/podem consumir ou não. Se os pais não tem noção do conteúdo, é puro “desconhecimento” deles e só deles, eles que lidem com as consequências disso.

  • Wilton Pahim

    Depois de uma bela sexta – feira ouvindo o último Reloading, um sabádo sem igual de tão maravilhoso no show do Pearl Jam aqui em sampa e um merecido descanso no domingo…começo a semana com o meu bom dia ao Edu, Felipe, Bruno e todos os ouvintes do Reloading!

    Já sobre o programa pra mim foi sensacional. O trailer de Warcraft foi realmente belissímo e aguardarei anciosamente este filme, mas sem as comparações do “Senhor do Hype” Jurandir Filho, hehe. Quanto ao Cod black ops 3, realmente esta um puta jogo digno da franquia e entregue de forma honesta a todos os gamers. Já o tema da semana (sexismo nos games) foi muito bem apontado em todos os seus pontos, não só da ignorância das indústrias no modo como tratam o produto pra depois poda-lo na primeira onda sem motivos reais de “mimimi” que aparece, quanto do ponto de vista mostrado da negligência dos próprios pais que não se preocupam (ou não se importam mesmo) em saber o contéudo que entregam aos seus filhos. Como pai (e gamer é claro) eu achei muito importante vocês terem frisado estes pontos, concordo plenamente com o que foi dito e só daqui já deixo os meus parabéns pela abordagem do grupo. Sobre um novo jogo de Legacy of kane é claro que eu adoraria esta noticia como fã, mas o modo como ela foi entregue é um verdadeiro “balde de água fria” e finca os meus pés na realidade desta situação, mostrando que a empresa perdeu uma ótima oportunidade de ficar calado infelizmente. E bom, sobre o novo Fallout 4 eu ainda não o joguei, concordo que o game esta muito bonito e feito com qualidade, mas como o ponto mais importante pra mim é o single player vou pesquisar um pouco mais antes de compra-lo. E já deixo uma pergunta a vocês pra salvar o meu natal: Em qual destes games devo investir neste fim de ano, Mad Max, Until Dawn ou Fallout 4?!

    Parabéns novamente por mais um ótimo programa e desejo uma ótima semana a todos.

    Abraços!

  • Guilherme Araujo

    Sei lá mas esqueceram da konami e de destiny nesse cast kkkkkkk
    Sobre o sexismo, acredito que não seja essa a palavra certa para esse assunto, “Sexismo:atitude de discriminação fundamentada no sexo.” – Segundo o Google ou seja a verdade absoluta – não vejo isso no jogo, tem um p*** erotismo maluco, mas cara é japão.Não quer não compre, ninguém é obrigado a jogar, então não me venha com mimimi que tem erotismo no jogo, que tem que mudar, o jogo é esse e ponto.Não gosto das novelas nem por isso fico me queixando delas” tem que mudar”, simplesmente não vejo e se ainda estão no ar é pq tem quem veja.

    • Auridian

      O mundo está ficando chato, já estamos em um momento de quem produz conteúdo de entreterimento no ocidente não ter mais liberdade criativa pq sempre vai ferir os sentimentos de alguém — mesmo deixando bem claro que esse produto é uma ficção, há ordas de pessoas que irão tentar cortar as pernas do produtor.

  • Gustavo Calastro

    Bruno surtou nesse programa kkk, mas é assim mesmo, eu mesmo tenho um podcast motherbasenerd.com.br pra quem se interessar! kk Mas de qualquer maneira, as vezes a gente acaba se empolgando, eu mesmo, num episódio sobre Fear The Walking Dead, eu xinguei tudo a série, passando um pouco do ponto. Mas eu entendi oq o senhor Bruno Carvalho quis dizer.

  • daniel araujo

    concordo 100% com o bruno nessa, anita sarkiesean e sua trupe de acéfalos, querem transformar o video game em um grande monstro sexista, não vejo diferença nenhuma dessas idiotas pra um datena ou marcelo rezende da vida que falam que o video game mata pessoas, antes de acharem a rainbow mika tão escrota (ela realmente é, não to discutindo isso), ja pararam pra olhar a vida real? a rainbow mika é segundo o jogo uma lutadora de wrestling e adivinha só? 90% das lutadoras de wrestling são sexualizadas sim na vida real pelos eventos como WWE e outros, e adivinha só? ninguem ta indo la encher o saco desses eventos, pq é muito mais facil ficar na internet falando bosta e acusando joguinho de luta do que realmente tentar fazer algo para mudar o mundo escroto em que vivemos.

  • Carlos Eduardo Galvani Nascime

    Sobre o Miitomo (de ser absurdo cobrar por ele) só lembrar que Tomodachi Life que possui a mesma idéia tem mais de 4,5 milhões de vendas no 3DS, mas do que muitos jogos aclamados do 3DS, como A Link Between Worlds, Luigi’s Mansion: Dark Moon. E pior, mais vendas que todos os Metroids de portáteis somados já tiveram. Acho que vocês confundem as vezes o que é bom para vocês do que é bom pra outras pessoas, e na verdade tem mercado pra todo mundo (menos pra Metroid, que sempre vendeu mais ou menos).

  • Yamato
  • Schmidt

    Até hoje não entendo direito essa discussão sobre sexismo nos games. Nunca parei pra pensar nesse assunto, nunca dei bola se a personagem esta quase pelada ou algum exagero do tipo. Pelas ruas sempre vejo homens e mulheres querendo ser o mais sensuais possível pra chamar a atenção. Não acredito que os games influenciem a sociedade, mas os games refletem a sociedade como ela é ou fantasiam as mesmas. A discussão é saudável porem exagerada, alguem realmente se ofende com personagens como May Shiranui, Lara Croft, etc e etc??? Temos de separar a realidade da fantasia, é apenas entretenimento.

    • Auridian

      É bem simples, os video games são a mídia que estão vindo, e continuarão por um tempo, em ascenção. Mas no momento, é a mídia mais vulnerável para pessoas oportunistas a usarem. O cinema, a música e o mercado de livros são praticamente imunes a essas pessoas que atualmente estão rotulando os games como tal — ainda assim esses outros mercados podem sofrer represárias desses guerreiros de internet, como foi o caso dos atores de Vingadores terem de pedir desculpas por eles terem chamado uma personagem ficcional (Viúva Negra) de “bitch”.

      O problema, ou não, é que isso pode acabar tendo o efeito contrário. Os jogos sim se tornarem mais apelativos, sexistas e politicamente incorretos — afinal essas críticas não vendem jogos (quem compra procura aquilo que
      quer), e muitas ideias estão deixadas de lado por causa de pessoas que
      não compram ou simplesmente não jogam.

  • Dorival Mores

    Aí a oferta da semana especial pro Bruno, huashduahsuda 😀

  • Dorival Mores

    Aí a oferta da semana perfeita pro Bruno, hahauhauhha 😀

  • Tales Antunes

    Off-topic – Bruno. Obrigado por me apresentar o David Bowie. Cara sempre passei desapercebido, ouvia as músicas de vez em quando e não sabia do cantor. Fui ouvir a discografia do cara e, é boa demais! Valeu mesmo….Ouço o podcast desde os primeiros mas sempre tenho preguiça de comentar…huehuehue.
    Falando em trilha sonora vocês estão de parabéns, mesmo, caras, ouço podcasts a tempos e, a seleção e o volume das músicas compõem bem o fundo, sem cortes bruscos. No aguardo pela próxima edição, e parabéns pelo trabalho!

  • Nícolas Fernando

    Nossa, é sério. Se eu tivesse do lado dessa mãe e desse vendedor da loja que recomendou The Witcher III pra criança de 10 anos eu teria me intrometido e eu mesmo me ofereceria pra recomendar algum jogo ali na hora.
    Achei muito boa a posição/opinião do Bruno e concordo muito com ele.

  • Robson Gonçalves

    Fora a discussão mais relevante do cast (deu pano pra manga aqui nos comentários :P) quero dar destaque para uma passagem:

    Parafraseando Bruno carvalho:
    “Tudo, TUDO NESSA VIDA É 50-50… ou é sim ou é não”

    Eu vou tatuar isso no meu braço! lógico, de forma resumida!

    Sucesso! Abraços!

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Um amigo meu sempre dizia que pra tudo na vida você tem 50% de chance. Se tu for fazer algo, um “não” você já tem garantido desde o início. Vai de vc tentar pra ver se rola um “sim”.

      • Robson Gonçalves

        Sempre vou com esse pensamento quando estou a caminho de uma entrevista de emprego 😀

  • http://nerdindie.blogspot.com.br Sergio Rodrigo

    Preciso ouvir de novo o cast, pois prestei atenção mais na musica de fundo do KOF do que na conversa !! kkkk

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Desculpa aí, cara, é que eu adoro KOF’98, hahahaha.

      • http://nerdindie.blogspot.com.br Sergio Rodrigo

        tbm AMO KOF , jogo desde o 94 e parei no 2003 e adorei todos, mesmo com essas mudanças toscas em alguns !!!
        As musicas que mais escuto ate hj é do 96

  • Pablo Suarez

    Mais sobre o sexismo e conteúdo adulto nos games tenho só uma coisa a dizer!
    A Tempos sabemos que games já é uma mídia como televisão e música e não mais brinquedo!

    Como na TV temos conteúdo adulto e infantil e também na música! Video Games já é atingido por essas categorias, afinal toda invenção a seu principio ou vai para o sexo ou Guerra.

    Cabe a nós adultos regular o que nossos filhos vão poder assistir ou jogar. Então a midia não é culpada e sim o consumidor que deixa seus filhos jogarem!

    E vídeo Game não cria pessoas violentas e sim a sociedade! Vide Pessoas que morrem de violência no trânsito e nos estádios e não culpam os times ou o trânsito. Como acontece nos Games.

  • Bruno

    Defendendo um pouco a Activision, o port para PC não teve nenhuma pilantragem ao meu ver e não deve ser comparado de forma alguma com o que aconteceu com o Batman. Com o batman, na grande maioria dos PCs, o carregamento de texturas estava otimizado para SSDs e que dava umas quedas de fps violentas, já que 90% (incluindo eu) não colocam um jogo de 35gb em um SSD e sim em um HD. Segundo, o jogo tinha muito problema de crash, travava e fechava o jogo sem dar satisfação (ainda acontece em alguns casos, mas é bem mais raro).

    O port da Activision simplesmente é muito pesado EM 4K!! O cara que tá disposto a abrir o jogo em 4k ter um pc com menos de 12gb de ram tá pedindo né, a muito tempo memória é uma das partes mais baratas de um pc sem uma performance nojenta. E a 980ti não guentar o jogo, você pode culpar a dona nvidia, já que a titan z tem 12gb e do lado da amd a 390/390x tem 8gb (foi medido que consome em torno de 8.1gb de vram em 4k), estou falando de GDDR5, a fury e fury x usam HBM que tem outro problema.

    Mas console roda bem com “só” 8GB total. SIm, mas o PS4 que roda a 1080p tem uma média ainda de 51fps para o jogo todo, e 4K são 4x mais pixels em tela que 1080p.

    Meu ponto todo era argumentar que os ports de PC de MK10 e BAK quebravam a experiência do jogador de forma inaceitável, já a da Activision não quebra em momento nenhum, pois basta a pessoa ter um hardware melhor ou baixar as configurações que tá resolvido. Hardware só vai pra frente a medida que é empurrado ao limite, e a concorrência saudável AMD/Nvidia só tem provado isso ano a ano, diferente da dona Intel nos processadores que lança um i7 esse ano que não é 30% mais rápido que um de 4 anos atrás. Pega uma placa de vídeo de 4 anos atrás e testem.

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Pois é, depois que fui reparar sobre uma parada que estávamos conversando em off e que me esqueci completamente de comentar no programa, tu tem razão. Apesar do uso de memória estar sim mal otimizado, a parada dos 12gb foi alcançada extrapolando o jogo para condições altíssimas, que não vão fazer diferença pra maioria das pessoas (eu incluso) que estão muito bem, obrigado, com o Full HD.

  • Anthenor Júnior

    Não to entendo o argumento de vocês em relação ao argumento da Blizzard pra não ter cross plataform multiplayer no Overwatch.
    Apesar de você preferir jogar em um controle e ser melhor jogando FPS em um controle, vamos expandir essa mente, você pode ser melhor em um controle porque perdeu o costume, eu não. E eu aposto aqui com você, qualquer um usando um teclado e mouse tem vantagem sim sobre outros usando o analógico. Mesmo que seja pequena a diferença ela faz diferença consideravel até certo nível, a ponto de desequilibrar o jogo e atrapalhar até o ajuste fino do balanço que tanto prezam (interfere nas estatísticas dos heros e skills que são muito usadas pra balancear, p.e. se algum hero ganha 60% dos jogos ele ta OP).
    Enfim, o argumento deles tem um fundamento, apesar de que seria interessante crossplataform, eles podiam olhar tbm só estatísticas por plataforma, enfim, mas o argumento de vocês parece que ta ignorando a realidade e olhando só pro prorpio umbigo.
    Adoro o Bruno cara mas é cada argumento que ta chegando em um nível não agradável (pois incluo aqui o caso sexista já citado).

    • Felipe Mesquita

      Mas e dai? Você entende que se o jogo for cross play, você NÃO É OBRIGADO a jogar entre PC e consoles. Quer dizer que por conta dessa diferença eu não posso jogar casualmente com meus amigos do PC? Toda partida de Overwatch então vai contar só com jogadores fodões jogando no teclado e mouse? E tem gente que joga no PC com controle tbm amigo. Não é questão de OBRIGAÇÃO, e sim de OPÇÂO. Pensa bem quem é que ta com a mente aberta nesse caso, você que defende uma RESTRIÇÃO de comunidade, ou eu que quero que PC e consoles convivam num mesmo ambiente?

      • Anthenor Júnior

        Bom, eu não estou defendendo a posição deles, estou simplesmente apontando fatos em relação aos argumentos usados!
        Pessoalmente, eu penso que não passa de uma desculpa furada pra não gastar dinheiro cross plataform.
        MAS, eu tenho plena consciência que isso não muda o fato do argumento deles ter certo fundamento, independente se uma pessoa é melhor no controle ou no teclado, o teclado e mouse são mais rápidos e precisos, sendo que isso flutua dependendo do modelo, drivers, configurações, etc (meu mouse Logitech G400s que paguei menos de 100 reais tem configurações de velocidade fenomenais).
        O meu ponto é só um, o argumento que diz que “eu sou melhor no controle que no teclado e mouse e por isso essa coisa não existe” que foi o que eu entendi, não tem fundamento.
        É disso que to falando, não precisa extrapolar até o ponto de dizer que estou defendendo a Blizzard, ou que eu não queira que vc jogue com seus amigos, por favor né cara! Não to te OBRIGANDO a nada.
        Eu tbm queria jogar cross plataform com meus amigos!
        É uma questão pragmática, eu não vou desconsiderar um ponto realmente válido só porque sou contra alguma coisa.
        Abraços!

        • Felipe Mesquita

          É sério que de toda a discussão você entendeu só isso? Ta implicando com uma frase isolada e que nem foi formulada dessa forma como você descreveu? E que nem nós demos tanto destaque assim na discussão. Vocês ouvem algumas palavras e esquecem tudo que veio antes e tudo que vem depois. O nosso ponto no geral foi exatamente o mesmo que o seu: ”não passa de uma desculpa furada pra não gastar dinheiro cross plataform.” Suas palavras.

        • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

          Você tocou no ponto da questão: a desculpa que eles usaram para não ter cross-play. O cerne não foi discutir o que é melhor ou não e nem quem é melhor ou não. Eu mesmo comentei que jogo melhor com teclado e mouse, mas prefiro controles.

          • Anthenor Júnior

            Sim, claro, e nem quis mudar o cerne da discussão de vocês, mas quis levantar outra aqui, usando um ponto da discussão que pra mim não é um argumento válido, e se é eu realmente só gostaria de ter os olhos abertos para tal, mas até vc joga melhor com teclado e mouse.

            Edit: quem sabe o novo controle da Steam derrube esse argumento das produtoras pra não fzr mp cross plataform em certos jogos? Falando do ponto de vista de quem tem umas 1500 horas de TF2 no Steam (época áurea, entre 8 e 5 anos atrás), no FPS competitivo online, eu nunca mesmo iria escolher um controle ao invés do mouse e teclado. Do ponto de vista do console gamer de sofá, entendo a diferença. E eu posso estar enganado, mas acho que esse gamer não jogaria 1500 horas de TF2 usando um controle, kkkk.

  • SmokeE3 .

    O Bruno vai comprar Black ops 3 0.0
    Talvez Halo 5 fez um favor tirando o modo co-op, já que o modo campanha não dura nem 5 horas, seria muita gente se decepcionando com isso.

  • Jaime Nunes

    Eu não entendo muito esse argumento do Bruno sobre o sexismo, ele diz pra se focar nas grandes coisas primeiro, mas não existem grandes coisas na minha opinião, não existe um vilão que quer propagar o sexismo pra combatermos, quem propaga são as pessoas e as mídias, são filmes, jogos, revistas, novelas, músicos, produtores de conteúdo em geral que já estão influenciados com esta forma de pensar. Acho que o problema se resolve com uma mudança de mentalidade que vai ser gradativa, das pessoas começarem a ter consciência de que aquilo é errado e começarem a questionar e forçar as empresas a mudarem, o que é ao meu ver o que está acontecendo.

    • Caiometal

      Concordo, afinal os personagens são representações da realidade. Combater isso muda a mentalidade das pessoas nesse seguimento.

      É que nem pessoas falando que não tem vontade de ser representadas em jogos mas adoram quando tem um personagem brasileiro representando.

      • IsraelArraes

        Sim, tirar um tapa na munda vai mudar a mentalidade das pessoas, porém deixar as personagens vestidas como são ta tranquilo, assim como deixar o especial da Mika lá também não vai contribuir em nada pra perpetuação dessa mentalidade.
        Fazendo um paralelo é como se alguém estivesse cheio de feridas e sendo queimada viva, ai você vai lá e coloca um band aid em um arranhão e deixa ela lá, achando que ela vai sarar aos poucos.

        Ai você pensa “Essa mentalidade se muda aos poucos mesmo, e a mudança se faz com pequenos gestos como esse.”
        Caras não sejam ingênuos, são JAPONESES. E a CAPCOM é uma empresa Japonesa, ela NÃO vai mudar. Por 2 motivos:
        1- O fetiche é algo da cultura deles.
        2- Eles são orgulhosos para mudar hábitos culturais. Tão orgulhosos que na cabeça deles “está tudo bem” deixar as coisas assim. Tipo, eles nem cogitaram mudar as roupas, o especial, golpes como o da chun li.
        A cammy continuará a usar maiô, e a Mika continuará a ser sexualizada. Não pensem que as coisas vão mudar por causa desse gesto, por que ele não tem nada a ver com mentalidade, mas sim com o dinheiro, eles querem que o jogo seja vendido pra mais gente, e a classificação tava atrapalhando.
        Por fim, se fomos pegar todos os elementos que o jogo nos proporciona, ele contribui muito mais para a perpetuação dessa mentalidade do que para o fim dela, na verdade ele não faz nada para o fim dela, por que pra mim esse gesto de censura foi insignificante nesse aspecto.
        E vamos olhar o outro lado também né, Zangief, Urien e Gil tão pelado ali e ninguém fica reclamando por isso, acha estranho, mas é só.

        • Caiometal

          Eu sei amigo, só respondi em relação ao comentário dele, não em relação a se vai mudar algo por tirarem um tapa. Mas TER a reclamação já é algo ótimo, afinal as pessoas não estão aceitando e questionando.

          Também tenho certeza que a capcom não fez isso porque pediram mas sim por causa do ESRB. Os personagens não devem nem mudar porque sempre foram isso.

          Quanto a cultura, não devemos tirar o deles da reta porque são japoneses. A sociedade japonesa no geral é bem machista e isso se reflete nos jogos.

          Mas enfim, nós essencialmente concordamos. XD

        • Jaime Nunes

          Essa questão do fetiche ser algo cultural no Japão eu não acho que seja uma boa desculpa, eu acho que eles estão é mais atrasados que o resto do mundo nesse sentido, até porque esse fetiche muitas vezes passa dos limites por lá, mangás e animes com pedofilia ou sexualização infantil por exemplo, que circulam por serem “só desenhos”.

          Mas eu concordo que reclamações não devem ter sido o motivo deles retirarem essas cenas, esse tipo de coisa ainda não impacta as vendas, mas no futuro talvez eles sejam obrigados pelo próprio mercado a mudar.

          • IsraelArraes

            E quem disse que eu estou dando desculpas? Eu estou explicando o por que de como as coisas são, e do por que elas são assim. Só isso. Além do mais, comentei também pra dizer que eles não vão mudar e não estão mudando. O que você falou sobre ser obrigado pelo próprio mercado a mudar não existe. Vivemos num mundo capitalista e qualquer tipo de elemento que possa dar dinheiro vai está presente em jogos, e SEXO VENDE! Se eles forem mudar vai ser em prol da própria sexualização, e não pela causa de uma minoria feminista. Feminismo não dar dinheiro cara, e nunca vai dar, agora apelar para o instinto primitivo masculino sempre vai render alguma coisa.
            Jogos de luta são tachados como machistas, mas sempre tem personagens masculinos com apelo para o público feminino, por isso particularmente não acho que valha a pena implicar com isso(ao contrário do papel da mulher em jogos como onechanbara z2 chaos, ai já é putaria, pode pegar no pé).

            • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

              Concordo contigo quanto a parte de que sempre vão apelar para o sexo para vender. Comentamos sobre isso, inclusive, creio que lá no Reloading 3. Agora, quanto a personagens masculinos com apelo para o publico feminino em jogos de luta eu tenho lá as minhas questões. Os personagens masculinos em Street Fighter não são representados “sensualizando”, mas sim como fodões reforçando o estereótipo do “papel do homem”. O mais próximo de “sensualizar” talvez seja o Vega/Balrog, mas, ainda assim, não chega nem perto de uma R. Mika ou de uma Cammy.

              • IsraelArraes

                Ai é que ta Edu, a gente é homem e fica um pouco estranho falar o que é apelativo pras mulheres ou não, eu acho que o Urien por exemplo é bem mais apelativo que o Balrog. O Balrog é um personagem afeminado, e não apelativo. Já um negão de 2 metros de altura musculoso só de cueca…Ai sim acredito ser apelativo. XP

                • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

                  Por isso mesmo. Curioso é que, de um anos pra cá, eu peguei o costume de perguntar para mulheres se esses personagens com corpo a mostra têm apelo para elas assim como mulheres com corpo a mostra têm para homens. Para minha surpresa, a grande maioria responde que não.

                  Está certo que eu sozinho não sou parâmetro pra nada, mas me leva a pensar que justifica o por que de nós não vermos tantas propagandas de cerveja, por exemplo, com um Magic Mike servindo a mulherada por aí. Certamente não é por conta das mulheres não comprarem cerveja.

                  • IsraelArraes

                    Para sua surpresa elas disseram “não”? Surpresa seria se elas dissessem SIM. As mulheres não são tão desinibidas quanto os homens pra falarem disso assim, ainda mais com alguém do sexo oposto. Alias, o mesmo serve pra homens.
                    Se uma amiga perguntasse se personagens com o corpo a mostra tem apelo pra mim eu ia negar do mesmo jeito, e você também.
                    Continuo achando Street Fighter um jogo democrático nesse sentido do apelo para ambos os sexos. Acaba tendo menos apelo feminino por que esse público joga menos vídeo game, e isso não é pré-conceito nem nada, elas realmente jogam menos vídeo game(excetuando os mobiles).

                    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

                      Pelo contrário, eu não tenho problema nenhum em assumir que é atrativo (fiz isso no programa, inclusive). Para mim é fácil entender a atração exatamente por ser um homem cisgênero e ter sido impelido biológica e socialmente durante toda vida a ter esse comportamento. O que me levou a associar que isso funcionaria da mesma forma para mulheres também. Daí a surpresa.

                    • IsraelArraes

                      Mais ai é que ta, você é homem, é mais fácil fazer isso. Pra elas NÃO, pois foram acostumadas socialmente a não se abrirem nesse quesito como os homens fazem.

              • Auridian

                Não é a sexualização que vende, mas os estereótipos. Personagens bombados não é uma coisa voltada para o sexo feminino — mesmo o vega/balrog. Pois é aquilo que os homens gostariam de ser: fortes, letais, seguros e eficazes (e isso é somente alguns dos desejos).

                A indústria, assim como a ciência, já viu que é muito mais complicado agradar ao sexo femino. Qualquer tipo que colocarem pode causar uma baita confusão

      • Anthenor Júnior

        Depende, se eu fosse uma mina não tava afim de ser representada por 4 minas de maio, big tits (visão super deformada e idealizada), como poucas delas realmente são, e como se esses corpos fosse algo a se almejar.
        Quando 4 das 5 minas do jogo são representadas assim hyper-sexualizadas, todas de maiozinho, você e eu podemos nem perceber, mas influencia a vida de muita gente.

        • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

          E a Cammy também é representada de forma super sexualizada desde lá do SSFII. Uma agente britânica de maiô com boina que vira a bunda pra tela e dá um sorrisinho quando vence.

          • Bruno Farias

            Pow, Edu, mas estamos em fase de repensar e mudar o que foi feito (de errado) até hoje… a sexualização é uma delas.

            • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

              Eu não estou usando como justificativa, mas como afirmação. Assim como a Mika, ela também já nasceu errada.

              • Anthenor Júnior

                Sim, assim como a Chun-Li motivando pausas durante o spinning bird kick!

                • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

                  Verdade, e eu achava isso maneiro, hahahaha. Mas, pegando as duas, eu considero que a Chun-Li surgiu como uma personagem melhor resolvida do que a Cammy nesse aspecto. Ainda mais se formos considerar que SFII veio primeiro no Arcade e depois migrou pro SNES (onde já rolava o lance de pause e tals).

                  Chutaram o pau da barraca com ela, curiosamente, lá no SSFII com aquele Kikouken super apelativo. Sem sacanagem, eu tinha uns dez, onze anos na época e já pensava que aquela pose não tinha justificativa.

                  • Anthenor Júnior

                    Melhor resolvido sim, background bacana e tals. Mas é uma coisa do tipo 8 ou 80, se não fica velado, e não da pra deixar passar nem amenizado, tem que apontar e fzr mimimi mesmo.

            • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

              Ao meu ver, uma representação muito mais condizente com o que deveria ser a personagem é mostrada naquele anime Street Fighter Victory.

    • Louelson Costa

      Concordo totalmente. Gosto muito do Bruno, mas acho que as vezes ele é um tanto quanto infeliz nos comentários. Não quero que ele levante a bandeira contra o jogo, mas também desmerecer a sexualização de alguns personagens eu acho errado. Existem sim a sexualização exagerada, que, claro, é feito pra vender o jogo, visto que algumas pessoas realmente gostam de ver isso nos joguinhos.

    • SmokeE3 .

      Pois é, a mulher estar quase pelada e ser “gostosa” é errado. Mas o jogo é de luta, onde homens espancarão mulheres até a morte e vice-versa, então ela estar com roupa curta deveria ser o menor dos problemas quando divulgado o jogo ao público. Lembra até as cenas de sexo da guerra dos tronos: “I can describe an axe entering a human skull in great explicit detail and no one will blink twice at it. I provide a similar description, just as detailed, of a penis entering a vagina, and I get letters about it and people swearing off.”

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      A gente acabou misturando um monte de coisas diferentes na mesma questão (esses assuntos polêmicos são complicados, vão puxando um ao outro), mas acredito que o que Bruno quis dizer com “grandes coisas” foi que muitas pessoas relegam a educação dos filhos e quando descobrem que algo deu errado vão procurar culpados nos filmes, nos videogames, na música, no diabo, etc.

      Concordo contigo quanto a mudança de mentalidade, como no recente caso (polêmico também) da Disney deixar de utilizar a imagem da escrava Leia em Star Wars. No filme de 83 há um contexto para aquela situação, ele está lá e ninguém vai removê-lo, mas nem por isso é necessário propagar a imagem hoje em dia e reforçar um estereótipo de que a personagem seja conhecida apenas por usar um biquini dourado.

      Falando em Street Fighter, por mim eu nem colocaria a R. Mika de volta.

      • Vitor Calfa

        Eu concordaria em ela não voltar SE ela fosse uma personagem inútil que nem ela era no SF Zero / Alpha 3, pois lá era uma hentai girls apenas mesmo. Mas como ela é um dos melhores personagens do SF5, com combos, agarrões e setups devastadores, então digo que ela deve ficar.

        Sobre o sex apeal, se a Capcom quiser gastar uma grana extra pra resolver a o problema dos tapas e closes em bunda, colocam um sistema de seleção de sex apeal no jogo. Quer putaria nas suas lutas? Liga no options. Não quer? Desliga. Pronto, resolvido.

        Na pior das hipóteses, os modders resolverão, para ambos os públicos.

      • Jaime Nunes

        Nem acho que precisassem tirar ela do jogo, afinal garotas no wrestling realmente usam um maiô, o problema é o exagero, o maiô já não é colado e curto o suficiente, os caras tem que picotar ele na bunda, encher de frufrus, golpes de bundadas e ângulos ridículos de câmera, a garota pode ser sexy sem ser uma hentai girl na minha opinião.

    • Louelson Costa

      E ainda sobre esse tópico, que já rendeu mais do que deveria, o Bruno falou muito em se preocupar com a sexualização fora dos jogos e que quem coloca vídeo do filho dançando funk não pode reclamar de sexualização. Mas aí, Bruno, eu acho que você tá se equivocando, acredito que as pessoas que criticam a sexualização nos jogos também são contra sexualização no mundo real e uma indignação não exclui a outra.

      Claro que cabe aos responsáveis pela criança de protegê-la de conteúdos que não são feito para elas, mas como o Edu (salve engano) e mais colegas nessa discussão comentaram é mais pela representação feminina nos jogos. Da mesma forma seria tão de mau gosto quanto se o Ryu tivesse só de cueca e recebesse destaque em seu órgão sexual durante algum golpe especial.

      Se um jogo tem censura X, claro que pessoas (crianças) abaixo dessa idade não devem ter acesso ao jogo (ou qualquer outro conteúdo), mas e para as mulheres maiores de idade? Acho que o ponto que está sendo criticado é isso.

      Acho que coisas como “acontece há muito tempo” ou “é Japão” não justificam isso. Ainda bem que agora tem mais “mimimi” sobre isso, pois indica uma conscientização e/ou maior visibilidade sobre esse problema (ao meu ver um problema social).

      Já outro camarada ouvinte falou que tudo bem ter violência, mas sexo não. Ao meu ver, pelo menos, não há problema em ambos desde que tenha um contexto. Num jogo de BRIGA DE RUA ou num COMBATE MORTAL, espera-se pelo menos um ou dois murros e claro, nesse contexto, as personagens femininas “sabem” que estão lá para lutar.

      Nesse episódio acho que o mais sóbrio foi o Edu, entendi também o lado do Bruno mas acho que ele foi muito pra um lado de censura e sobre o conteúdo repassado dos tutores para as crianças do que a representação feminina sexualizada nos jogos.

      E claro que quem se sentir incomodado com isso basta não comprar o jogo, que é o meu caso.

  • Caiometal

    Curti muito o Overwatch. Pegarei pro meu ps4. Adorei o design e tudo mais.
    Quem diria que o Bruno iria preferir COD sobre Halo? Mas também concordo com o que ele falou sobre os pontos positivos do Black OPs 3.
    Quanto a “censura”, eu não ligo e não entendo porque ficam reclamando já que todas as mulheres continuam completamente sexualizadas, então não muda muita coisa. O que tiraram foi um ângulo da buceta da Cammy e um tapa da Mika na bunda, só. E acredito que seja por causa do ESRB mesmo. Enfim..

  • IsraelArraes

    Pô eu nem ligo tanto assim pra censura da cammy, por que é um ângulo de câmera desnecessário, mas o tapinha da Mika tinha um propósito, e não estou falando do erótico, mas sim do humorístico. É uma forma engraçada e bem humorada de provocar o oponente antes de usar o especial. Eu achei essa ideia até boa, ri muito quando vi pela primeira vez.
    O curioso é eles censurarem o tapinha e deixarem TODO O RESTO DO ESPECIAL. Porra, os caras me censuram um “tapinha”, mas deixam 2 mulheres pressionando a cara do oponente com a bunda?WTF?

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      Pois é, se tu for pegar até o Wrestling em si, ver essas fanfarronices é normal. Não faz sentido cortar alguns frames se a personagem inteira continua lá.

  • Pedro Veloso

    Como assim não esperou o Nintendo Direct para gravar o cast? Acho o cast o maximo. Mas negligenciar a nintendo como vcs fazem é um erro.

    • Sulean

      Nintendo é irrelevante.

      • Pedro Veloso

        Irrelevante é vc amigo.

        • Sulean

          Acertou, mas a Nintendo ganha nisso.

    • Caiometal

      Semana que vem falam sobre. Não acho que eles mudariam o planejamento pra algo que eles sequer sabem se será bom ou não.

      Enfim, relaxa.

      • Pedro Veloso

        Olhando assim. Está certo. Mas eles perderam o hype de FF7 em smash.

    • IsraelArraes

      Caralho mano, relaxa. Eu acho que você é novo aqui, mas os cara decidiram sempre colocar o programa no ar quinta a noite(com E3, PS experience, fim de mundo ou o caralho).
      Então eles não “negligenciaram nada”. Semana que vem eles tão falando disso.

    • Podegoso Shumy

      É esse Nintendo direct acabou de sair, então não tinha como prever. Apesar de achar de Cloud aparecer num Smash Bros é esquisito