Reloading #094 – MELHORES DO ANO: 2016

Nesse episódio, Bruno CarvalhoEdu Aurrai e Felipe Mesquita falaram sobre a enorme quantidade de grandes jogos lançados em 2016, e elegeram os melhores dentre eles.

 

Duração: 175 min

Comentados:

Listas e vencedores (agradecendo ao Smoke Silva @SmokeWE3)

Jogos da Semana

>

JOGO DO 99VIDAS NA STEAM!!!

Envie seus e-mails com sugestões, críticas e comentários para ouvinte@reloading.com.br

Siga o Reloading no Twitter @reloadingbr

Curta nossa página no Facebook http://facebook.com/reloadingbr

Assine o nosso Feed http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

Ou no iTuneshttps://itunes.apple.com/br/podcast/reloading-atualize-se-gamer!/id991994199?mt=2

Problemas para localizar o Reloading no seu aplicativo de podcasts? Em vez de buscar pelo nome tente usar o link no campo de busca => http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

Compartilhe:
  • Bruno Alves

    Parabéns pelo programa e por todo o ano de 2016.
    Que o Reloading continue crescendo muito.
    Valew.

  • http://cevadabuster.com Rodrigão Meira – Niterói RJ

    Grande cast. Belo apanhado sobre os grande jogos de 2016 – além de suas decepções. Tenho um PS4, mas não tenho o Xone. A certeza que Forza Horizon 3 estaria nessa lista fácil fácil de top 5

  • Ary

    Minha lista com as devidas considerações e nas plataformas que terminei cada jogo:

    1 – The Last Guardian (PS4)
    2 – Odin Sphere Leifthrasir (Vita)
    3 – Uncharted 4 (PS4)
    4 – Forza Horizon 3 (XOne)
    5 – Severed (Vita)
    6 – Final Fantasy XV (PS4)
    7 – Inside (XOne)
    8 – The Legend of Heroes Trails of Cold Steel 2 (Vita)
    9 – Quantum Break (XOne)
    10 – God Eater 2 / R (Vita)
    11 – Ratchet & Clank (PS4)
    12 – Kirby Robobot Planet (3DS)
    13 – Bravely Second (3DS)
    14 – Yomawari (Vita)
    15 – Exist Archive (Vita)

    Obs1: fiz um top 15 porque não consegui deixar de fora todos os jogos que achei que são no mínimo muito bons que mereciam serem citados numa lista.

    Obs 2: não joguei suficientemente alguns jogos como Gears 4 e Zero Time Dilemma porque não achei justo avaliar esses jogos isoladamente sem ter o histórico de suas séries passando por todos os jogos.

  • Rockfeller

    Perfeita a abordagem de vocês neste podcast! Vocês simplesmente conseguiram abordar quase tudo do que aconteceu durante o ano de 2016!

    Como crítica construtiva, para que o programa pudesse ficar um pouquinho mais completo, vocês poderiam destacar também as principais expansões de alguns jogos, que saíram em 2016, como a DLC do The Witcher 3, por exemplo.

  • Thiago Oliveira

    De tanto falarem de Inside eu acabei pegando ontem na PSN, aproveitando que estava com aquele desconto honesto, e olha, que JOGÃO.
    Fiquei com o coração gelado o tempo todo e de fone de ouvido a experiencia é ainda melhor, só não terminei ontem mesmo pq já era 1h30 da manhã e hoje é dia de trabalhar hehe
    Parabéns pelo cast, e obrigado pela indicação!

  • Lucas

    Parabéns pelo cast pessoal!
    Deu vontade de arranjar um ps4 pra ver como ficou o Uncharted.
    Inside é experiência pra qualquer ser vivo!!
    Abraço!!

  • DM Castro

    Galera, esse ano conheci vcs e tô passando aqui pra dizer que sou fã e curti bastante os podcasts nesse ano. Vou tentar sempre colocar aqui uma mensagem pra vcs de forma a agradecer por tudo. Que 2017 seja muito melhor que 2016 e vida longa e próspera ao Reloading!!!
    Achei esse programa uma síntese do que rolou no podcast durante o ano inteiro e peguei várias dicas de jogos com vcs. Grande abraço!!!!

  • IsraelArraes

    Pô, ótimo programa. Foi um ano bom, melhor que 2012 e 2014, mas inferior a 2015 e 2013(o melhor dessa década até agora). Agora “Go Home” é dose, o jogo pra enganar hehe. Não comprem, é cilada, gasta numa coxinha que é melhor.

    • Rockfeller

      Concordo com você Israel. Para mim, a ordem dos melhores anos da década, foi a seguinte (2010 pertence à década passada):

      1 – 2013
      2 – 2015
      3 – 2011
      4 – 2016
      5 – 2012
      6 – 2014

      • IsraelArraes

        Vlw. Agora quanto a sua ordem, eu só trocaria 2011 por 2015, e 2012 por 2014.

  • Paulo Cesar

    Me deus que música linda essa escolhida Bruno melhor escolha de todas do programa na minha opinião.

  • http://www.zelda.com.br/ Twero

    “Eu jogo pelo combate, nem ligo pra história!”
    As vezes eu queria muito que as pessoas que se afastam de KH seguissem essa mesma linha de pensamento. Não se foquem no enredo que vocês vão só se estressar. Aproveitem que depois do KHII a série possui um dos sistemas de combates mais fluídos que existem! Inclusive parte do combate do FF XV é baseado em KH!

  • Wilton Pahim

    Olá mais uma vez meus caros: Bruno, Edu, Felipe e aos ouvintes do Reloading.

    Feliz 2017 a todos, que esse seja um ano de grandes vitórias não só nos games mais em cada aspecto positivo de nossas vidas.

    Adorei o “gigantesco” programa, que encerrou com chave de ouro o ano de 2016. Foi muito bacana ouvir cada um declarando a sua lista pessoal dos 10 melhores games de 2016 e depois declarando a partir destas escolhas as 5 primeiras posições. Foram excelentes escolhas com toda a certeza e fico também muito feliz pela mesma, ainda mais por incluírem: Uncharted 4, Doom, The Last Guardian e Inside. Eu também espero que nesse mesmo período ao final do ano, vocês deem a opção da votação para nós ouvintes para assim compararmos resultados finais de ambos os lados. Seria muito divertido com toda a certeza.

    Enfim parabéns por todos os programas entregues no ano de 2016 e mal sei o que esperar dos programas desse ano, mas garanto que aguardarei ansiosamente.

    Abraços a todos e até o próximo programa meus amigos!

  • Ary

    Gostei da lista individual dos participantes, mas achei que criar uma lista geral usando uma espécie de média ponderada com o mesmo peso para as três foi um erro porque não há justiça a partir do momento que o Edu não joga nada que saia para outras plataformas que não sejam PC.

    Muito jogo claramente menor teve destaque na lista geral porque eram multiplataforma e tiveram três menções, enquanto que tudo que não saia para PC zerava (em pontos) na lista do Edu.

    Mas tirando esse pequeno erro, que espero que arrumem para o próximo ano (vocês precisam repensar em como criar um sistema mais justo e equilibrado), gostei muito do cast, principalmente as inúmeras menções do Bruno Carvalho aos jogos lançados para Vita (que a mídia convencional e maioria dos jogadores tentam esconder sua existência) e também extremamente satisfeito de ver que depois de tanto serem criticados FFXV e TLG conseguiram cumprir às expectativas se destacando entre inúmeros jogos de qualidade nesse ano cheio de títulos.

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      “não há justiça a partir do momento que o Edu não joga nada que saia para outras plataformas que não sejam PC.”

      Nessa lógica, o Felipe não joga nada que não seja Playstation, o Bruno não joga nada de PC e nenhum de nós jogamos nada de Wii U.

      Se tu pegar por plataformas majoritárias nas listas, digamos, Playstation de um lado e PC do outro, vai notar que há três jogos “exclusivos” (detesto essa palavra) pra cada lado, sendo que nesses há pelo menos um em cada que tem alta probabilidade de se tornarem multiplaforma. Será que é injusto mesmo? E se alguém tivesse colocado um Paper Mario Color Splash no top 5? E se eu tivesse colocado Overwatch na minha lista?

      Daí o contexto de serem escolhas pessoais e não necessariamente análises técnicas/críticas.

      Relax, man.

      • Ary

        Fala Edu, mal ter te usado como bode expiatório, mas o ponto principal do que eu disse é que suas listas individuais são totalmente válidas e boas, mas que misturá-las para criar uma lista geral acaba resultado numa lista injusta. Meu ponto é que gosto de sua lista dentro do contexto de um jogador tradicional de PC que também levanta a bandeira de ótimos e desconhecidos indies, da lista do Felipe voltada às plataformas Sony que longe de ser ista acaba revelando bons jogos japoneses não tão prestigiados em plataformas mais ocidentalizadas e também da abordagem do Bruno que por possuir mais plataformas acaba priorizando as grandes franquias.

        Acho que o formato das listas contemplam diversos tipos de jogadores, mostram uma equipe diversa que nos brinda com ótimas discussões e opiniões. Mas sabe qual o problema dessas listas individuais serem somadas e virar uma lista geral?

        O problema é que o padrão de igualdade, algo essencial para uma disputa, acaba não existindo porque jogos multiplataforma acabam tendo mais chances de serem votados. Sim, vendo a distribuição de jogos e plataformas por membros da equipe, dá para dizer que exclusivos da Microsoft podem receber votos de EDU/BRUNO, exclusivos Playstation do Felipe/Bruno, exclusivos de PC somente do Edu. Quer dizer, Gears 4 tem chances de ter dois votos, enquanto DOOM tem chances de ter três (só para citar um exemplo).

        O bizarro desse sistema é que ele torna praticamente certo que um jogo que saiu para as três plataformas sempre será o vencedor, mesmo que matematicamente seja provado que é uma incoerência no critério de igualdade. Não sei exatamente como vocês estabeleceram a métrica para a lista, mas usarei o exemplo matemático mais simples possível para exemplificar: finjamos que o primeiro colocado de cada lista tenha uma pontuação 10 que vai decrescendo em 1 ponto a cada listado abaixo. Sendo assim, um título exclusivo como Gears ou Uncharted tem possibilidade máxima de conquistar 20 pontos, enquanto um multi como Overwatch tem possibilidade de conseguir 30 pontos e o seu saudoso Civ possibilidade de apenas 10 pontos. Agora imagine que Uncharted 4 receba a primeira colocação de dois membros da equipe, ou seja, conseguindo a maior colocação que lhe foi possível ele fica com 20 pontos ao passo que se DOOM conseguir a quarta colocação dos três, ele poderá ser eleito melhor do ano mesmo ocupando uma posição de relevância intermediária, porque dentro dos critérios ele contava com a vantagem de poder pontuar mais.

        Enfim, o problema não está na sua lista Edu, mas sim no sistema que favorece demais um tipo de jogo e prejudica outro. Se eu o usei exclusivamente como exemplo para reclamar do sistema, eu peço desculpas pela injustiça que cometi, mas acontece que como os títulos do PS4 eram os favoritos para ganhar os prêmios, sua lista pareceu mais sabotadora que as outras, mas como eu disse, isso foi um erro de minha parte, porque toda lista acaba tendo o mesmo problema.

  • pfnino

    Feliz 2017 galera, parabens por mais um ano de sucesso!!!

  • Louelson Costa

    Excelente cast, bela forma de encerrar o ano.

    Gostei da lista final também, apesar de discordar em um ponto ou outro.

    Se me permitem a sugestão, abram uma votação pro público, aí vocês comentam as escolhas da galera também. Seria uma forma de participarmos do cast de encerramento do ano.

  • Diogo Matos

    Adorei o programa, mais uma vez!!
    Meu primeiro comentário aqui, comecei a acompanhá-los não faz muito tempo, mas confesso que é meu podcast preferido!! Gosto muito dos comentários e posicionamento de vocês.
    E a lista ficou muito bacana, apesar de ter ganhado um PS4 em outubro e ter começado a jogar muita coisa antiga agora, com certeza adicionarei alguns games comentados a minha lista do que jogar.
    Parabéns pelo programa e nos “vemos” em 2017!! 😉

  • Silvio Melo

    Muito bom, adorei o programa. Lista final muito boa também ! Parabéns pelo podcast e que venha 2017 com mais sucesso e qualidade pro Reloading !

  • Leonardo Viana

    Curti a lista final de vocês.

    Tirando a roubada do Bruno com Gone Home (rs), as listas estão justissimas

    E obrigado por esse ano de programa, o reloading e o principal podquest q eu acompanho hoje.

    Vlw pessoal e sucesso em 2017 =)

  • Diogo Maia

    Acho que os critérios pra lista final deveriam mudar. Se apenas um integrante citar um jogo específico ele não deveria entrar. Quem deveria estar na seleção definitiva na minha opinião é o Firewatch e olha que eu nem o joguei.

  • Moisés Benicio

    Pra mim, jogo do ano: Uncharted 4. Decepção do ano: Mafia III.

  • http://thiagoreis.github.io Thiago Reis

    Comentando só para agradecer pelos programas desse ano. O Reloading é um dos principais podcasts que me acompanham nas viagens diárias de ônibus do dia a dia. Valeu!

  • El Luchador

    Legal.

    Pra mim, Overwatch é game of the year, sem sombra de dúvidas.
    : )

  • Thiago Cerqueira

    Bruno muito obrigado por ter lembrado de Megadimension Neptunia VII !!!! Eu nem terminei de ouvir o programa e já vim aqui te agradecer pela menção ao jogo. Eu sou muito fã da franquia, mas infelizmente ela não é tão adorada quanto outras franquias de JRPGs consideradas até mesmo medianas, isso porque o início da franquia com Hyperdimension Neptunia no PS3 foi muito fraca, pois o jogo é ruim, apesar do 2º e 3º jogo terem sido um pouco melhor. Depois disso a Idea Factory e Compile Heart lançaram remake dos 3 jogos para o PS Vita, que ai sim foram excelentes, mas por conta do público do Vita no Ocidente, o jogo não ficou tão conhecido. O Vita é o console principal da franquia, considerando que atualmente ele possui 8 jogos no console, sendo que 6 são muito bons e 2 são fracos. O Megadimension Neptunia VII (lê-se Victory II, já que o jogo anterior é Hyperdimension Neptunia Victory) que é o 4º jogo da série principal, é o 1º jogo da franquia para o PS4, e o 2º jogo já está em desenvolvimento, que é o Four Goddess Online Cyberdimension Neptunia. Complementando o que você disse sobre cada personagem representar um console, são as deusas que tem essa representação (Neptune com Sega, Noire com Sony, Vert com Microsoft e Blanc com Nintendo) tanto é que os golpes delas são baseados em coisas que os lembram. Cada personagem que entra na party, também tem relação com mundo dos jogos, já que os nomes delas são nomes de desenvolvedoras e publicadoras (MarvelousAQL, Falcom, CyberConnect2, Cavem Nisa e por ai vai). A franquia tem uma pegada cômica muito forte, porém o que acaba sendo um ponto negativo na franquia em geral é a questão de fanservice no sentido sexual, e isso afasta quem procura um jogo divertido e sem apelo. Em questão de pouco tempo pra cá, os jogos começaram a sair no Steam também.

    • Silvio Melo

      Eu comprei esse jogo, como o Bruno falou dele, consegui entender muito bem como funciona e irei jogá-lo pode ter certeza !

  • Tiago Pierezan Camargo

    Opa! Por favor, coloquem a lista dos top 5 games no post!

    Valeu!

    • http://reloading.com.br/ Edu Aurrai

      A gente não colocou pra não dar spoiler do programa, oras, hehehe.

      • Tiago Pierezan Camargo

        Pô, mas o cast é do ano passado!! 🙂

        P.S.: Valeu pela atualização!