Reloading #119 – E3 2017 – Parte 2/2 – Ubisoft, Sony, Nintendo

Nesse episódio, Bruno CarvalhoEdu Aurrai e Felipe Mesquita, falaram sobre a segunda parte das conferências da E3 2017: Ubisoft, Sony e Nintendo.

Duração: 97 min

Comentados:

>Nossas transmissões durante a E3: Ubisoft, Sony, Nintendo

Trailers da Semana:

 

Jogos da Semana

JOGO DO 99VIDAS NA STEAM!!!

Envie seus e-mails com sugestões, críticas e comentários para ouvinte@reloading.com.br

Siga o Reloading no Twitter @reloadingbr

Curta nossa página no Facebook http://facebook.com/reloadingbr

Entre na nossa Locadora http://facebook.com/groups/reloadingbr

E também no nosso grupo do Telegram http://t.me/amigosgamersreloading

Assine o nosso Feed http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

Ou no iTuneshttps://itunes.apple.com/br/podcast/reloading-atualize-se-gamer!/id991994199?mt=2

Problemas para localizar o Reloading no seu aplicativo de podcasts? Em vez de buscar pelo nome tente usar o link no campo de busca => http://feeds.feedburner.com/reloadingBR

Compartilhe:
  • Wilton Pahim

    Voltando mais uma vez, amigos do Reloading!

    Indo agora direto, para a 2ª parte sobre a E3 2017:

    Ubisoft: Mario + Rabbids Kingdom Battle foi muito bacana de se ver é claro, mas melhor do que isso é ver o Shigeru Miyamoto no palco, esse cara consegue trazer um brilho próprio a apresentação que é realmente incrível. Assim como foi divertido quando mencionaram os games do South Park, que espero pelo bem de vários (incluido o do Felipe) não atrase dessa vez. E claro Beyond Good & Evil 2, que foi o ponto mais alto da apresentação para mim sem dúvida. Sensacional.

    Sony: Uncharted 4 – Lost Legacy, vou joga-lo incansavelmente assim que ele sair, não vejo a hora. Isso sem contar a dlc de Horizon – Zero Dawn, The Frozen Wilds, que vai ser obrigatória tê-la também para jogatina. Assim como foi bom ver Days Gone com um video de gameplay bem diferente do anterior, muito bom mesmo e se o game acabar saindo esse ano também vai ser melhor ainda. O anúncio do remake de Shadow of the Colossus foi a única surpresa da conferência, mas ainda sim uma grata e bem vinda surpresa que aguardarei em 2018. Quanto ao no COD, só o fato de ver eles voltando a guerra mais pé no chão” e menos “espacial” já é de por um sorriso de orelha a orelha em qualquer gamer. Bacana demais. A roupa desse novo game do Spider man ainda me me causa estranheza, mas o gameplay em si me agradou bastante, então provavelmente irei “relevar” essa parte da roupa ao que tudo indica. Isso sem contar que já passou da hora de lançarem esse Detroit: Become Human, ta difícil aguentar tanta ansiosidade. Mas nada, absolutamente nada, é mais aguardado aqui em casa do que o novo God of War. Eu sou fã de longa data, minha mulher também é e garanto que meu filho também será por nossa bela educação motivacional em seu devido tempo. Hehe. Foi um video espetacular, não só pela gameplay como pela história dele e essa pegada “pai e filho” que o game vai ter, algo que para mim na posição de pai é ainda mais significativo e mostra o quanto a franquia e eu envelhecemos juntos e nos entrelaçamos ainda mais no futuro. Sem Palavras.

    Nintendo: O novo Metroid Prime é claro que é muito bem vindo, mas entendo bem o Bruno referente ao modo como o anúncio foi feito meio “ao Deus dará” e como isso frusta mesmo. Complicado. Outro ponto bacana foi o Super Mario Odyssey, com toda a certeza. Game muito divertido além de terem sido uma grata surpresa, já que sendo bem franco, eu não sabia o que esperar deste jogo e fui surpreendido positivamente.

    No final das contas, os maiores destaques da E3 para mim ficaram com:

    Microsoft
    Ubisoft
    Sony
    Bethesda
    EA
    Nintendo
    PC Gaming Show.

    Mas o maior destaque de todos mesmo, foi a cobertura da E3 que vocês fizeram de forma conjunta com o pessoal do 99 Vidas. Todos estão de parabéns e deixo aqui também o meu muito obrigado pelo trabalho de qualidade que foi entregue, valeu mesmo meus amigos.

    Obrigado novamente e até o próximo programa.

    Abraços!

  • Vitor Hugo

    Só queria deixar registrado meu espanto ao ouvir sobre a desacreditação do Bruno sobre estatística e probabilidade. A probabilidade de dar 6 no dado é de 1/6. Isso não quer dizer que vai dar 6 se eu jogar o dado 6 vezes. Caso eu jogue o dado 6 vezes e não de o número escolhido, a probabilidade está errada?
    Passando para intenção de voto. Esses estudos tem o chamado Intervalo de Confiança (que normalmente é de 95%). Existe uma fortíssima relação entre este Intervalo de Confiança e a Margem de Erro. Para 100% de confiança, a margem de erro é infinita ou a amostra tem que ser a população toda.
    Quando se deixa uma pessoa da população fora da amostra, a confiança cai um pouco, um número não-significativo, concorda? Calcula-se, então, quantas pessoas podem ficar fora da amostra para que esta ainda seja significativa. Sempre lembrando do Intervalo de Confiança desejado. Quanto maior esse intervalo, maior a amostra.
    Resumindo, se a pesquisa de intenção de votos tem 95% de confiança com 3% de margem de erro, isso quer dizer que 95% das vezes os valores vão estar mais ou menos 3% do estimado. Joga-se o dado e, 5% das vezes, vai dar fora. 100% de confiança é estatisticamente possível, caso pergunte-se a cada brasileiro votante. E isso é feito na eleição em si.
    Achei menosprezador de toda uma profissão, que foi chamada de matemáticos(?), quando existem muitos Estatísticos por aí. O Curso de Ciências Atuariais (Estatística) existe à toa?
    Quando vc planeja quanto gastar no seu jogo (99vidas), mercado, potencial, investimento, previsões, metas, vc pergunta pra população toda? Faz 100% de confiança? A pessoa que faz essa conta é o profissional de estatística, profissão que tem se mostrado “do futuro”.
    Ah, não faço matemática nem estatística. Faço engenharia química na UFRJ.

    ps: sei que se o Bruno for mencionar isso, ele vai começar dizendo que eu “entendi errado” o que ele quis dizer. Vida que segue.

    • Ary

      Eu que também não sou da área também achava difícil de acreditar, mas legal ver você explicando detalhadamente, mostrando que a coisa é bem séria e vai além de uma crença ou fé-cega na ciência.

      Parabéns pelo post.

  • Maycon Alves

    Então, saiu a demo do Marvel vc Capcom no XONE também, inclusive já joguei. Gostei do jogo, achei divertido. Parece ser mais lento que os outros, mas nada que estrague. A história tá bem forçada pra mostrar os heróis da Marvel envolvidos nos filmes da marvel/Disney… Sinto que o Wolverine pode fazer falta no futuro.

    • Guilherme

      A jogabilidade ficou familiar, para mim que joguei desde o X-Men vs Street Fighter no Playstation 1. Gostei. Mas tem coisas que me incomodam, como o combo automático (e nem me considerava elitista… mas o padrão desta série é LP->MP->HP ou LP->LK->HP->HK – que funciona neste jogo tb – por isso me incomodei de haver outro jeito mais fácil e eficiente) e os gráficos.

  • Ary

    Eu entendo esse tipo de abordagem mais analítica e baseada apenas no que foi mostrado, mas acho que a maioria dos jogadores saem do evento com uma opinião oposta, isso porque se baseiam em outros critérios que no final acho que condizem mais com fatores que realmente importam.

    Achei a conferência da Microsoft a pior dentre as três fabricantes, porque se por um lado eles apresentaram uma quantidade maior de jogos e um hardware novo, no que realmente importa, a mensagem de que estariam arriscando em novas franquias, em exclusivos de qualidade e numa plataforma com preço mais agressivo (para disputar mercado), ela não apenas decepcionou como mostrou que está satisfeita em ser a terceira força do mercado de jogos.

    Sony também teve uma conferência ruim, mas por outro lado a mensagem clara é de que tem franquias exclusivas mais fortes para agradar o público mainstream e diante de sua imensa vantagem pode se dar ao luxo de distribuir anúncios mais relevantes conforme a conveniência e necessidade. Na PSX mesmo, que é um evento voltado aos fãs, ela pode despejar suas inúmeras parcerias para exclusivos mais nichados de desenvolvedoras japonesas e outras séries que juntas ajudam o PS4 a conquistar a liderança.

    Nintendo foi facilmente a melhor da feira, porque se por um lado não apresentou tanto potencial pra jogos 3rd, anunciando Metroid Prime 4 e com o gameplay de Mario Oddyssey e de Mario Rabbits, ela mostrou que está com sangue nos olhos e disposta a tomar a segunda posição da Microsoft em importância de mercado.

    As conferências das 3rds eu também achei fracas porque a maioria do que foi mostrado são de jogos já baseados em fórmulas consagradas, quando não sequencias numéricas de jogos sem grandes inovações.

  • Thiago Dos Santos

    Caramba, vocês esqueceram de Super Lucky’s Tale. No geral foi uma ótima primeira parte do Cast.

  • Ricardo Andrade

    O Bruno parece que quer q a conferência seja feita para ele em particular XD, sinceramente, não me afetou nenhum um pouco a ausência de Metroid 2D, Arms no inicio, eles tão querendo vender velho, já lançado ou não, mas enfim.
    PS. pessoal do Omelete jogou o Mario e parece que aquele negocio de humanos é apenas mais um mundo mesmo. 🙂

  • Ricardo Andrade

    É uma pena que o único concorrente (até o momento) de Horizon para melhor do ano não será jogado pelos reloaders nem pelos 99viders… :'(

  • Antonio Orlando

    Gostei das discussões. Só não entendo o mimimi do Bruno com relação ao Sonic Forces. Qual o problema de se usar um custom character? Eu achei uma ideia legal você poder criar um personagem com habilidades diferentes pra usar de forma alternada com o Sonic e pelos vídeos de gameplay que eu já vi me parece tão fluído quanto jogar com o próprio Sonic. E nem sabemos ainda se será obrigatório o uso desse personagem criado pelo jogador. Além disso o Bruno é a única pessoa que eu vejo reclamando dessa feature no jogo que ele nem jogou ainda. Que tal aguardar o jogo sair antes pra ver melhor como funciona? Se não for bom aí pode falar mal mesmo (como o Sonic Boom e sua troca de personagens a qualquer momento do jogo que não acrescentou nada pro gameplay) mas não tem como ter certeza enquanto não pudermos jogar.

  • Marcelino Pinheiro

    Meu player tem um recurso “pular mimimi” o programa ficou com ótimo com 30 minutos!
    Brincadeiras à parte, parabéns pela cobertura da E3 2017!

  • Guilherme Oliveira

    No geral eu gostei da E3,não teve uma bomba, mas muitos jogos me interessaram.
    Os que eu mais quero jogar são o Dragon Ball Fighter Z, Ori and the Will of the Wisps e o God of War.
    Com relação ao Anthem,eu achei MUITO interessante,mas eu quero ver o ciclo de gameplay. Era muito bom jogar Destiny,a jogabilidade é excelente,o co-op era massa! Joguei muito até conseguir a Espinho, Quebra-Gelo,Martelo Negro, Visão da Confluência e por aí vai! Mas eu terminei o The Division e encostei o jogo.Não senti vontade nenhuma de ir atrás dos loots, refazer as missões e etc. Pelo menos pra mim, este é o maior desafio do Anthem. Não me importo muito com os gráficos e sim se ele vai conseguir me prender ou não!
    Gostei muito do anúncio do Beyond Good & Evil 2 e pelas informações passadas, o jogo parece ter um escopo muito maior do que eu imaginava.
    Já o jogo do Homem Aranha eu gostei com ressalvas,o excesso de QTE me incomodou um pouco.

  • Ronny
  • Ronny

    Caramba terminei a parte 2. Agora eu estou com a impressão de que estou ouvindo a voz do Sr. Edu Aurrai mesmo sem fone de ouvido. Parabéns pelo trabalho galera

  • Cabral

    Opa ouvindo agora a segunda parte e vou comentar agora senão acabo esquecendo, fiquei super feliz em saber que o protótipo usado para desenvolver este jogo da Ubi do Mario foi feito por um Brasileiro e meu camarada Flavio Rodriguez, ele fez um post no Facebook super bacana falando deste trabalho dele… Achei muito foda!
    Enfim, ouvindo o restante aqui e já deixo mais uma vez o parabéns para vcs do Reloading que estão fazendo um ótimo trabalho, equipe super competente (tirando o Bruno 😛 )

  • Guilherme

    Caramba, eu esperava que este saísse só na sexta! Beleza, preciso ouvir o Bruno falar do remake de Shadow of the Colossus!

  • http://leitorcabuloso.com.br/author/rodrigo_fernandes/ Rodrigo Fernandes

    Excelente trabalho sumarizando o que foi o evento e em especial a análise bem isenta com relação aos 3 fabricantes de consoles.
    Fiquei pensando em tudo que disseram a respeito do Metroid 2D e de como ele foi deixado de lado e pensei em algo que poderia ter se tornado um dos grandes momentos da E3 como um todo.
    Imagina se a Nintendo encerra sua conferência trazendo o DoctorM64, criador da versão independente, apresenta ele e reconhece o que ele fez como o trabalho de amor e extrema dedicação . Ele faz o Gameplay do jogo ali encerrando a conferência. De repente oferece um lugar para ele na equipe.
    Ia ser um momento para entrar na história da E3…
    Ao invés disso, publicado na página 8 ao lado do obituário. =(

  • Ronny

    Meu Deus estou quase ficando com overdose